8 de jul de 2018

A BACIA DE PILATOS




(Do blog com equipe) - O desembargador plantonista do TRF-4, Rogério Favreto, expediu nova ordem para a libertação de Lula no prazo de uma hora.

A televisão continua dizendo que há um impasse jurídico quando o que há é uma ilegalidade.

Afirmando também que a qualquer momento o Presidente do TRF-4 e o desembargador relator da ação de Lula, que não estão trabalhando oficialmente, podem desautorizar o desembargador plantonista responsável pelo Tribunal, o que não é verdade

Enquanto isso, os responsáveis pelo Poder Judiciário continuam fingindo que não é com eles e fazendo cara de paisagem, assistindo à crise institucional da justiça brasileira e à flagrante chicana que está sendo encenada e perpetrada por Moro e seus asseclas como se dela não tivessem conhecimento ou estivessem vendo uma comédia na telinha comendo pipoca, levantando-se de vez em quando apenas para lavar as mãos para tirar o sal e a manteiga - em uma bacia de louça emprestada de Pilatos.

VIROU ZONA




(Do blog com equipe) - A atitude de certo juiz de Curitiba de interferir na decisão de um desembargador do TRF-4 que mandou soltar o ex-presidente Lula ainda neste domingo é a gota que faltava para mostrar que a justiça está sendo descaradamente desobedecida e vilipendiada por bufões e tartufos de  primeira instância no Brasil.

Caso o comportamento não seja coibido, isso equivalerá a um reles golpe de estado dado por um juiz de piso contra a República e o Estado de Direito em nosso país.

A mídia de sempre quis dar a impressão que se trata de um imbróglio judiciário quando não há imbróglio algum.

Moro não é o delegado da Polícia  Federal encarregado de cumprir a determinação da justiça, não é o dono da custódia de Lula e não tem que se meter, interceptando ou prejudicando o cumprimento - especialmente no fim de semana - de uma decisão tomada pela autoridade competente, hierarquicamente superior, de um desembargador de plantão.

O que vai ocorrer daqui pra frente quando um juiz de primeira instância discordar da determinação - que se sequer estava dirigida a ele - de um desembargador?

Independente do desfecho desse episódio, a palavra e a responsabilidade estão com o órgão máximo do Judiciário, que deve assumir o seu papel de fazer cumprir a lei e a Constituição e a velha máxima de que decisão judicial não é para ser desobedecida e sim para ser cumprida incontinenti, evitando que se abram precedentes que irão transformar a justiça brasileira em uma balbúrdia em que terá maior poder quem espernear ou gritar mais alto, no lugar de obedecer aos prazos e ritos previstos no trâmite judiciário normal.


Caso o STF se exima de manifestar-se sobre esse gravíssimo ato, absolutamente político, será o mesmo que confessar que quem manda no Brasil é a famigerada república que se instalou solertemente em Curitiba.


Nesse caso é melhor abandonar o prédio da Suprema Corte ao porteiro que estiver de plantão com as chaves de arquivos e gabinetes para que sejam entregues em prazo hábil ao insolente - e totalmente desequilibrado - juiz de piso que está agindo como se estivesse no comando da Nação.

A EMBRAER, A BOIENG E O ACORDO DO PORCO COM A GALINHA PARA VENDER OVOS COM BACON..




(Do blog com equipe) - Demorou mas a Embraer e a Boeing assinaram um memorando para a compra do controle da primeira pela segunda na área de aviação civil regional, justamente o filé da companhia brasileira.

Segundo o anunciado a Boeing vai pagar pouco mais de 4 bilhões de dólares para ficar com 8 em cada 10 ações e a EMBRAER com 20%.

Idiotas acham que isso não faz diferença.

Mas é obvio que se eu tenho apenas um quinto - ainda mais sem Golden Share - quem é que vai mandar na empresa?    

Agora, se o negócio é bom para os dois, porque não ficou no meio a meio?

Porque o governo, que tem 380 bilhões de dólares em reservas internacionais herdadas do PT, e acha que para o Brasil essa associação vai ser a última limonada do deserto, não capitalizou a Embraer com dois bilhões de dólares para voltar ao negócio e garantir que ficassem em mãos brasileiras pelo menos 50% da nova empresa, ou melhor, 51% de uma companhia na qual a sociedade brasileira investiu tanto tempo, talento e dinheiro?

Como vai se assegurar que a fabricação das aeronaves fique no Brasil com esse acordo?

Ou a Embraer vai ter que transferir a produção dos aviões para os Estados Unidos, como teve que fazer quando foi obrigada pelo governo norte-americano a se associar com a Sierra Nevada da Flórida para vender para a Força Aérea dos EUA e para seus aliados o caça ligeiro Supertucano?

Pensando friamente no assunto, o que o atual governo brasileiro está fazendo é claro e cristalino.

Primeiro, permitir que os Estados Unidos, tomando controle da área de aviões regionais da Embraer, justamente a parte nobre do negócio, alcance o objetivo estratégico de controlar, de fato, o futuro da indústria aeronáutica brasileira.

E em segundo lugar, permitir que a Boeing tire do seu caminho um dos únicos concorrentes que tinha condições de, no futuro, se quisesse, passar a produzir aviões maiores, concorrendo diretamente com a própria Boeing e sua “concorrente” a Airbus, que acaba de fazer a mesma coisa com a Bombardier canadense.


Afinal, quem fabrica aviões para 150 passageiros, pode produzir aeronaves para 200, 260 passageiros.

Para isso só precisa de tempo e tecnologia.
Insumos que a Embraer já provou saber administrar com rara competência ao desenvolver toda uma nova família de aviões, a E2 (foto) em apenas cinco anos.

Um excelente negócio para as duas maiores fabricantes de passageiros do mundo, que passam a exercer, em conjunto, um virtual monopólio no mercado global de aviões de passageiros de grande porte, avaliado em uma bagatela de aproximadamente 200 bilhões de dólares por ano.

Esse acordo da Embraer com a Boieng não lembra aquele acordo - ronc, ronc, ronc, Mister Temer - do porco com a galinha para vender ovos com bacon?

Ganha um pirulito e uma calça curta de tergal o coxinha que achar que norte-americanos e europeus não se sentaram para conversar a respeito.