9 de abr de 2014

A CANIBALIZAÇÃO DOS PORCOS E A ALIMENTAÇÃO DOS HOMENS


(Jornal do Brasil) - Os suinocultores brasileiros estão pedindo ao Ministério da Agricultura – que está “estudando” o assunto - a adoção da suspensão da importação de plasma, material genético, e animais reprodutores dos EUA. 

Os Estados Unidos estão enfrentando, neste momento, uma epidemia do vírus da DES - Diarréia Epidêmica Suína, que chegou aos EUA no ano passado, e já atingiu outros países americanos, como o México, Canadá, República Dominicana, Colômbia e Peru, nos dois  últimos casos, países que fazem fronteira com o Brasil.




Mais que com animais vivos, e com material genético, a preocupação de técnicos e veterinários está voltada para o plasma de sangue de suínos importado dos EUA para completar a ração que é dada aos nossos suínos, o que lembra a velha expressão de que “ do porco só não se aproveita o berro”, e nos revela a existência de práticas de vampirismo dignas de um romance como “Crepúsculo” estreado por porcos, como símbolo do ponto a que chegou o capitalismo na canibalização das espécies em prol da busca desenfreada do lucro.
   
O uso de proteína derivada da carne, sangue e ossos de mamíferos para a alimentação de animais que não precisam necessariamente disso em sua dieta - principalmente quando derivada da própria espécie - não é boa conselheira.




Primeiro, porque se o plasma fosse bom, os Estados Unidos o estariam usando para completar a  alimentação de seus próprios suínos, e não enviando-o para outros países.  




E, em segundo lugar, por causa do impactante exemplo da “vaca louca”, doença que levou ao abate de milhões de reses e trouxe centenas de bilhões de dólares em prejuízo a pecuaristas do dito Primeiro Mundo, justamente por causa da utilização de farinha de carne e ossos de mamíferos contaminados com Encefalopatia Espongiforme Bovina, para completar a ração normal de animais da mesma espécie.




A “vaca louca” levou à proibição, na Inglaterra, a partir de 1996, de qualquer proteína animal na alimentação de ruminantes. A essa altura, a doença já havia se espalhado - por meio da exportação de animais para reprodução e de farinha de ossos e carne pela Inglaterra - para várias partes do mundo, causando enorme prejuízo econômico e colocando em risco milhares de vidas, já que ficou provada depois a sua relação com o aparecimento em humanos de uma nova variante da  doença de Creutzfeldt-Jakob, que é provocada pelo consumo de produtos bovinos contaminados.




Considerando-se a íntima relação mercadológica e regulatória entre os Estados Unidos e a Inglaterra, é preciso saber se, devido à “vaca louca”, estendeu-se  a proibição do uso de proteína de mamíferos vigente na Grã-Bretanha aos EUA, e se a mesma lei vale para suínos. Assim, descobriríamos porque os EUA nos exportam - e não consomem em sua própria ração - o plasma que retiram do sangue de seus porcos.    

A vinda à luz desses aspectos, no mínimo, controversos, da Guerra dos Porcos, no contexto da batalha mundial da produção e consumo de proteína animal pelo mercado humano, exige, da parte do Governo Federal, duas atitudes:




Proibir imediatamente - por meio da ANVISA e do Ministério da Agricultura -  o uso de proteína animal - ou, ao menos, de mamíferos - na alimentação de porcos, aves e bovinos.




Aceitar o pedido do setor, de imediata imposição de barreiras à entrada de suínos vivos e de seus subprodutos - principalmente o plasma - de fora do país.




Isso tem que ser feito não apenas por uma questão sanitária, mas também de marketing e de geopolítica. O Brasil não pode, justamente agora, que está a ponto de substituir - devido à questão da Crimeia  - os Estados Unidos como fornecedor de carne suína, bovina e de aves, para a Rússia, permitir que surja o mínimo empecilho no aproveitamento dessa oportunidade.




Isso, sem falar da possibilidade, que não se deve descartar, do aparecimento - devido à importação de “insumos protéicos” de outros países - de graves doenças que podem afetar a saúde da população brasileira.    

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:





























     







Nenhum comentário: