30 de jul de 2015

DECOLA O GRIPEN NG-BR


(Do Blog) - Com a conclusão do acordo pelos governos do Brasil e da Suécia, para o desenvolvimento conjunto de 36 novos caças Saab Gripen NG-BR, anunciada ontem, termina a novela do Programa F-X, que se arrastava desde os tempos de FHC, e o Brasil adquire tecnologia para o desenvolvimento futuro, para a Força Aérea Brasileira, de caças próprios de última geração. 

A decisão do governo sueco, de dar quase 6 bilhões de dólares em financiamento ao Brasil - que tem 370 bilhões de dólares em caixa em reservas internacionais (eram 30 bilhões de dólares em 2002, mas havia uma dívida de 40 bilhões com o FMI) e é o terceiro maior credor individual externo (link) dos EUA, a juros de 2.19% ao ano - menos do que o previsto inicialmente - com 25 anos de prazo para liquidar a dívida e oito anos de carência, mostra que o que vale, do ponto de vista da macroeconomia real, são  fatos como este, e não a campanha antinacional em curso, e as sandices que são ditas lá fora, por veículos dirigidos e parciais - e frágeis a ponto de estarem sendo desnacionalizados - como o Financial Times.

8 comentários:

Leandro Guimarães Faria Corcete DUTRA disse...

Segundo o ministro da Defesa, a assinatura deve acontecer em dez dias, portanto não foi concretizada ontem, só acordada.

Mauro Santayana disse...

Tem razão, confundi a data da manchete com esta, de outubro, que foi amplamente divulgada à época:

http://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,brasil-assina-acordo-de-us-5-4-bilhoes-para-compra-de-cacas-suecos,1583682

Na qual realmente foi assinado um contrato.

Agradeço a observação, e peço desculpas.

O texto já foi alterado.

Anônimo disse...

Esperando sinceramente e patrioticamente que aqui a palavra "Avião" não termine rimando com "Mensalão", "Petrolão" e outros "ãos"...

Anônimo disse...

Pois eu já prefiro, patrioticamente, que não se combine com privataria, Banestado, Terméletricas Merchant, Mensalão Mineiro, outro tipo de aeronave, carregada com 450 m quilos de cocaína, e outros infinitos escândalos que não deram em nada, como diz o Santayana neste texto aqui:

http://www.maurosantayana.com/2014/12/o-brasil-o-petrolao-e-o-triangulo-das.html

Leandro Guimarães Faria Corcete DUTRA disse...

Infelizmente o episódio da tela única da AEL, empregadora de filhos de brigadeiros, já preocupa.

Sacco disse...

Simplesmente está se consolidando um projeto datado de 20 anos, procrastinado pelas 5 últimas gestões. Porém, não poderia ser melhor, pois se trata de um vetor de 4,5a. geração, muito além dos demais da América Latina e com condições de desenvolvimento local inimagináveis até bem pouco tempo.

Diga-se também que o projeto de modernização da FAB/MB/Embraer, que se encerrará em 2017, que oportunizou as versões "mike" dos F5, A4, E110 etc também é um marco para a supremacia (por que não?) brasileira na América Latina. Não se faz uma força aérea só com "dogfighters".

Atualmente outros países latinos detém caças melhores armados ou com maior alcance dos que os nossos, porém, operacionalmente, não têm o suporte necessário para manutenção, treinamento e, principalmente, desenvolvimento tecnológico autônomo.

Pra completar, ainda podemos aguardar com segurança o desenvolvimento do KC390 para o final de 2017 e, antes disso, a operação do KC767.

São 50 anos em 10, pelo menos.

Leandro Guimarães Faria Corcete DUTRA disse...

O Gripen não é só um caça de combate próximo, Sacco, mas também faz reconhecimento, ataque e interceptação. Tudo bem que não é um melhor avião de ataque que um A-10, nem um melhor interceptador que um F-22, nem melhor avião de reconhecimento que um U-2, mas é bem mais barato para nós, que podemos ter relativamente poucos aviões, que alguma combinação de aviões dedicados.

Só discordo que sejam cinqüenta anos em dez. Seriam se tivéssemos capacidade de absorção de tecnologia, o que não é o caso. Por falta de continuidade nas políticas públicas (vide Sivam/Sipam, onde só o Sipam tem alguma continuidade em retenção/desenvolvimento de tecnologia, se não me falha a memória em Rondônia), excesso de politicagem nas universidades (vide desprestígio das mesmas, mesmo as federais) e de maracutalha entre empresas e governo (vide episódio das telas únicas da AEL).

Marco disse...

Prezado Mauro,

As manifs da direita estão sendo convocadas para o dia 16, um domingo, e não para o dia 6.