30 de ago de 2011

ESPERTEZA E ARROGÂNCIA

No último post comentávamos, neste mesmo espaço, a propósito da Líbia, as jornadas dos tolos, tão comuns na História. Por um dos insondáveis mistérios da vida, três patologias costumam coabitar no espírito de alguns homens: o medo, a paranóia e, como subsidiários dessa manifestação da insânia, ensaios claudicantes de esperteza. A jornada de tolos mais comentada da História foi, como lembramos, a que devolveu o poder na França seiscentista a Richelieu.


Temos, no Brasil, alguns casos parecidos, mas nenhum supera o frustrado golpe de Jânio Quadros, há 50 anos. Não há qualquer dúvida sobre as razões (ou desrazões) do bilhete de renúncia que ele enviou ao Congresso, em 25 de agosto de 1961, e abriu o caminho à ditadura militar que sofremos durante mais de duas décadas.


Combinaram-se muitos fatores, todos devidos à fraqueza moral do presidente eleito em 1960, para levar a 25 de agosto e aos episódios que se seguiram. Como é comum, a arrogância, a prepotência e os gestos autoritários servem para dissimular a insegurança ou indicar a paranóia, ou seja, o exercício de uma lógica lateral à realidade. Jânio fizera espetacular carreira política, tendo sido vereador, prefeito de São Paulo, deputado federal, governador, com um discurso coerente de combate à corrupção. Não foi o único a empolgar com esse moralismo. Um governador de Alagoas, que tinha a sua mesma idade ao candidatar-se, 30 anos depois, também o fez – e o resultado, nos dois casos, não foi bom. Os dois, por motivos diferentes, não concluíram o mandato.


O fato é que Jânio exerceu a presidência de forma surpreendente. Alternava medidas sérias, ousadas e prudentes, como as relacionadas à política externa, com decisões ridículas, como as de proibir o uso de maiô de duas peças em público, e mandar reprimir vigorosamente as brigas de galo. Ao mesmo tempo, abandonava o uso de terno e gravata (que continuava a ser exigido aos que visitavam seu gabinete) e adotava o blusão dos oficiais britânicos em serviço na África e na Índia, que, envergado pelo coronel Nasser, do Egito, indicava postura política antiimperialista. Esses gestos – como os de Collor ao “pilotar” um avião de caça, e do ex- ministro de Defesa, ao envergar uniforme privativo dos generais de Exército – não demonstram o uso costumeiro da razão.


Jânio chegara ao poder em um conciliábulo desastroso das circunstâncias. Juscelino se fizera refém de duas forças que haviam garantido sua eleição e o exercício do mandato: o grupo militar liderado pelo general Lott e os trabalhistas de Vargas, que se aglutinavam em torno de Jango. Isso o impediu de conduzir a sucessão de acordo com a sua vontade, que era a de unir lideranças dos dois grandes partidos da classe média (a UDN e o PSD), mediante a candidatura do governador Juracy Magalhães, da Bahia. Não conseguindo articular essa solução (que, provavelmente fosse da mesma forma danosa ao Brasil, como os atos posteriores de Juracy revelaram), foi compelido a adotar a chapa Lott-Jango, e a deixar Tancredo, então candidato a governador de Minas, entregue à sua própria sorte. Mais ainda: se não estimulou, não se opôs a que José Maria de Alkimin abrisse dissidência no PSD mineiro, com a candidatura de José Ribeiro Pena. O resultado foi a vitória de Magalhães em Minas – e a vitória de Jânio Quadros no Brasil. Como Jango dispusesse de grande carisma, como herdeiro direto de Vargas, e as eleições para a vice-presidência fossem desvinculadas da candidatura do titular, houve, de saída, uma oposição clara entre o udenista (ou o que Jânio fosse doutrinariamente, o que não sabemos até hoje) e o trabalhista João Goulart.


Jânio, como souberam os que estavam mais de perto, entre eles os jornalistas José Aparecido de Oliveira e Carlos Castello Branco (que confidenciaram a verdade a alguns de seus amigos) achou que era impossível governar com a oposição de Lacerda e do Congresso e que, para livrar-se do empecilho, bastava contar com os milhões de brasileiros que nele haviam votado. Assim, solitariamente, sem revelar o seu propósito a ninguém, planejou o golpe. Organizou tudo, de forma a que, em 25 de agosto, Dia do Soldado a sua renúncia espantasse o Brasil. Contava com o veto dos militares a Jango, que estava em viagem oficial à China. Estava certo de que o povo e os militares o fariam “desistir” da renúncia e retornar a Brasília com todos os poderes. Viajando para São Paulo, e esperando, em Cumbica, que o fossem buscar em triunfo, constatou a frieza da opinião pública. Os que ele chamou ao aeroporto militar, à espera de apoio – como o próprio governador de Minas – mostraram-lhe que o fato já estava consumado. Alguns anos depois, Collor cairia na mesma ilusão.


A história não é acomodada. Ela se inquieta, move-se, nem sempre para o melhor rumo, mas tem horror ao marasmo. Os arrogantes e os que se imaginam espertos, não conhecem esse capricho das circunstâncias, e se perdem, como Jânio Quadros e discípulos menores em nossos anos recentes.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:






2 comentários:

Fabio Melo disse...

Alguma ilustre personalidade da história - cujo nome não me recordo - comentou, creio que à época, que Jânio Quadros no poder foi a "UDN de porre". Não sei se entendo em plenitude o sentido dessa expressão, mas uma coisa me parece certa: que forte ressaca tivemos depois de sua fatídica decisão!

Ruy Barbosa Maciel disse...

Eu não votei no Collor pois conhecia a história de Janio, não por que viví nesta época, mas quem viveu escreveu e os historiadores são implacáveis, com eles prevalece o que Machado de Assis disse: "A verdade sai do fundo do poço e não indaga quem está à borda".

Ruy barbosa Maciel- Governador valadares MG