12 de set de 2012

FHC, SERRA E A CAMPANHA MUNICIPAL.


Todos os que conhecem de perto a política paulista sabem que Fernando Henrique Cardoso e José Serra são cordiais adversários. A entrada do ex-presidente na campanha para a prefeitura de São Paulo, mesmo que seja com um simples depoimento no programa eleitoral, pode significar o beijo da morte na candidatura tucana, conforme o conhecido código de Palermo.
Serra e Fernando Henrique caminharam juntos, quando se encontravam no lado esquerdo da estrada. Suas idéias, ainda que não fossem exatamente as mesmas, eram muito próximas, quando buscavam o poder possível. Tinham, naquele tempo, a consciência de que dificilmente seriam protagonistas do processo político no futuro estado democrático. Esperavam, quando muito, obter algum mandato parlamentar, em nome da relativa perseguição sofrida durante o regime ditatorial. É certo que, uma vez portadores desse mandato, naturalmente encontrariam aberta a via para trechos mais amplos em sua biografia.
O fato é que ambos foram favorecidos pelas circunstâncias. Com prestígio nas elites intelectuais e sociais de São Paulo, Fernando Henrique foi candidato em uma sublegenda para o Senado em 1978 – e perdeu para o cabeça da chapa, Franco Montoro. Quando Montoro se elegeu governador em l982, ele, como suplente, chegou ao Senado, conforme as regras eleitorais de então.
José Serra, filho de imigrante italiano que trabalhava como feirante, tinha todas as condições para tornar-se um grande líder de esquerda no Brasil: origem de classe, capacidade de mobilização da juventude e conhecimento dos fundamentos da economia. Em certo trecho de sua vida, no entanto, Serra passou a ser apoiado pelos banqueiros e grandes empresários de São Paulo – a mesma clientela de Fernando Henrique.
Nisso, talvez, resida a discreta rivalidade entre ambos: jogam no mesmo time e na mesma posição. Servidores da hegemonia paulista na vida nacional, os dois sempre contribuíram para o enfraquecimento do sistema federativo. José Serra se orgulha de haver impedido, na Assembléia Constituinte de 1988, a descentralização do sistema tributário nacional, que daria mais recursos aos estados. Fernando Henrique acabou, de fato, com a autonomia dos Estados em seu mandato. Serviram, assim, aos interesses de São Paulo, ao dificultar o desenvolvimento das demais regiões brasileiras. Minas foi mais prejudicada, por ser o segundo estado da federação, mas se reconheça que, ao servir aos interesses econômicos de São Paulo, os dois serviram aos seus patrocinadores.
Fernando Henrique não renuncia a ser reverenciado não só pelo auto proclamado excelso e universal saber, mas também por sua presumida liderança política sobre os neoliberais. Não lhe convém a ascensão de Serra, onze anos mais moço. Há pouco, FHC jogava nas costas do outro a privatização das empresas estatais. Agora, apóia a sua postulação à Prefeitura. Não acrescenta ao candidato os votos das elites de São Paulo, mas reduz os que possa angariar na periferia.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:



3 comentários:

Anônimo disse...


O que está acontecendo com o Serra é merecido, não é possível acender uma vela para Deus e outra para o Diabo! Deveria aproveitar a audiência que a mídia lhe oferece e vincular o PT à corrupção que está vindo à público no julgamento do mensalão! Suscitar, pelo menos de alguma forma, o paradoxo de políticos que pertencem a este partido ambicionarem a prefeitura de São Paulo. E para explicar melhor essa contradição poderia usar de uma metáfora que o povão entenderia perfeitamente, ou seja, comparar o Fernando Haddad a qualquer cidadão que vá comprar a prazo e está com o seu nome sujo! O PT está mais sujo que pau de galinheiro!

Eugênio José Alati

Anônimo disse...

É. E de quebra, o PT poderia reproduzir em papel jornal o livro Privataria Tucana, que fala das ligações da filha de Serra com a filha do Daniel Dantas,e das empresas abertas por gente do PSDB em paraísos fiscais para desvio de dinheiro. E ainda sobraria assunto para falar da compra de votos pelo governo FHC no Congresso para passar a emenda da reeleição.

marcelino disse...

Apoiar ou votar no Serra,é tragar os piores instintos de um ser humano.