8 de abr de 2016

O CARGUEIRO E AS HIDRELÉTRICAS.









(Jornal do Brasil) - O céu era “de brigadeiro”.

Mas, para a maior parte da mídia passou em brancas nuvens a apresentação do novo cargueiro militar KC-390 da EMBRAER à Presidente da República, ao Ministro da Defesa, Aldo Rebelo, e ao Ministro da Aeronaútica, Nivaldo Luiz Rossato, após viagem de Gavião Peixoto à Capital Federal, nesta semana, na Base Aérea de Brasília.

E, no entanto, tratava-se apenas da maior aeronave já construída no Brasil, com capacidade de transporte de blindados, de brigadas de paraquedistas, de operar como avião-tanque para reabastecimento aéreo de caças, ou como unidade de salvamento, em um projeto que custou 7 bilhões de reais, em grande parte financiado pelo Governo Federal, que teve também  participação minoritária de outros países, como Portugal, Argentina e a República Tcheca, destinada a substituir, no mercado internacional, nada menos que o Hércules C-130 norte-americano.

A mesma indiferença, para não dizer, desprezo, ou  deliberada desinformação, ocorreu com o início do processo de geração da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, a terceira maior do mundo, com capacidade de 11.000 megawatts, na semana passada.

Ou com a hidrelétrica de Santo Antônio, situada no Rio Madeira, em Rondônia, a quarta maior do país, que colocou em operação sua 39ª turbina geradora há alguns dias.

Como sempre se dá com os grandes projetos erguidos nos últimos 13 anos neste país – e põe obra nisso – escolheu-se dar atenção, prioridade e  divulgação preferencial a aspectos negativos, discutíveis e polêmicos como eventuais “estouros” de orçamento, atrasos ou suspeita de corrupção, do que às próprias obras.

Projetos que, depois de prontos, passarão a pertencer, inexoravelmente, ao patrimônio nacional e ao domínio do concreto, da realidade – e que, querendo ou não seus detratores – continuarão, agora e no futuro, beneficiando o país com mais empregos, mais energia, melhora no nível tecnológico de nossa indústria bélica e aeroespacial e da capacidade de defesa da Nação.

Bom mesmo, para essa gente, deve ter sido o governo do Sr. Fernando Henrique Cardoso, que, segundo o Banco Mundial, conseguiu encolher o PIB e a renda per capita do Brasil em dólares nos oito anos em que permaneceu à frente do Palácio do Planalto, aumentou a carga tributária em vários pontos percentuais e duplicou a relação dívida líquida-PIB, além de deixar uma dívida de dezenas de bilhões de dólares o FMI, sendo obrigado a racionar energia por falta de investimentos na geração de eletricidade - além de deixar que desaparecessem empresas como a ENGESA, sem forjar um simples parafuso para as forças armadas.

Naquele tempo não se discutia a suspeita de irregularidades na construção de usinas, refinarias, plataformas de petróleo, gigantescos sistemas de irrigação e saneamento, ferrovias, tanques, submarinos – até mesmo atômicos - usinas nucleares, estádios, aviões, mísseis, porque não se fazia quase nada disso em nosso país, e, quando havia encomendas, poucas, eram para o exterior, e não para aqui dentro.

Aludia-se, sim – muito timidamente com relação ao que se faz hoje – à possibilidade da existência de irregularidades na compra da emenda da reeleição no Congresso; e na sabotagem, esquartejamento, destruição, por exemplo, de grandes empresas nacionais, algumas delas centenárias, a maioria estratégicas, para sua entrega, a preço de banana, para estrangeiros, com financiamento farto, subsidiado, do BNDES.

Lembrando George Orwell - em seu inesquecível e cada vez mais atual “1984” - o Ministério da Verdade, ou Miniver, em “novilíngua” - formado pela parte mais seletiva, parcial, ideologicamente  engajada e entreguista da mídia brasileira - pode fazer o que quiser – um diário chegou a trocar a foto de Dilma na cabine do KC-390, por outra, menos “favorável”, em pleno processo de impressão da tiragem do dia seguinte ao fato - que não se conseguirá derrubar  obras como Belo Monte, Telles Pires,  Santo Antônio, ou Jirau, ou o novo trecho da ferrovia norte-sul, que já leva soja de Anápolis ao Porto de  Itaqui, no Maranhão, ou paralisar – com a desculpa de que vão dar ou deram prejuízo (prejuízo contábil, virtual, não interessa, afinal, dinheiro se necessário, como fazem os EUA, se fabrica), como se não bastassem o 1 trilhão e 500 bilhões de reais em reservas internacionais que o Brasil possui – a construção da Transposição do São Francisco ou a expansão da refinaria Abreu e Lima, que já está processando, em sua primeira fase, cerca de 100.000 barris de petróleo  por dia.

As obras e as armas construídas, para o Brasil, como os fuzis de assalto IA-2, ou os radares SABER, ou o Sistema Astros 2020 – até mesmo porque as Forças Armadas não vão permitir que esses programas venham a ser destruídos e sucateados - vão ficar, por mais que muitos queiram  que elas desapareçam em pleno ar, em uma nuvem de fumaça ou nunca venham a ser vistos em um livro de história.

Et latrare canes caravanis transit – ouviu, certa vez um romano, em um ponto qualquer da rota da seda, entre as dunas do deserto do Saara.
O calendário da pátria não se mede com o ponteiro fugaz das vaidades humanas.

O que importa para o Brasil é o que fica.

No futuro, o povo saberá datar essas conquistas - separando o joio do trigo - no tempo e nas circunstâncias.

13 comentários:

Taciana disse...

Não acredito que o povo vá saber quem fez o que se o esquema de mídia cntinuar o mesmo.

Bruno disse...

É por isso que o Brasil está sendo alvo de uma novo Plano Condor. Pois estávamos em progresso sem o domínio inperial americano, inclusive a atuação do BRIC. Porém dessa vez o golpe está vindo pela oposição e pelo judiciário.

Anônimo disse...

Baiana,

Texto excelente, como sempre, na hora e em tempo aumentar a hidrelétrica da resistência e a auto- estima dos nordestinos e brasileiros.

Parabéns, amigo Santa.

José Rui de Souza disse...

A mídia ainda dominante não consegue mais pautar o país. Compartilhar já.

FORUM ITANHANGÁ disse...

Parabéns pela sua lucidez. Na história só há lugar para os que sonham com um país livre, independente, justo, solidário. Aos traidores os rodapés. Aos que tramam contra a nossa democracia, servindo a interesses das grandes corporações, conspirando para apear da presidência da república Dilma Roussef, eleita por mais de 54 milhões de votos, a companhia dos traidores nos porões da história.

Nelvimar Soares disse...

Está parecendo adoção daquela ideia:rouba mas faz". Estão escondendo o fato de que foram suspeitas de serem superfaturadas com a comemoração da inauguração. Compensa o preço que pagamos? Por isso estão acima da lei?

Sarturi disse...

Do site Defesanet:
Na tarde de 04ABR2016 a aeronave KC-390 pousou na Base Aérea de Brasília DF. O Programa KC-390 passa por turbulência grave pelas sucessivas pedaladas, travestidas de contigenciamento orçamentário. A ida do Cargueiro Multimissão KC-390 01 a Brasília DF atende a dois objetivos básicos:


1 – Uma agenda positiva para o atual momento do Governo Dilma Rousseff. Mostrar fatos e realizações positivas, mesmo que o próprio governo atrapalhe ou prejudique de forma significativa estes, e,

2 – Para que a contratista principal, a EMBRAER Defesa & Segurança e Comando da Aeronáutica consigam “despedalar” o valor de R$1,4 e tentar regularizar os pagamentos deste ano, que o governo tem contingenciado no repasse de verbas para o desenvolvimento do Programa do Cargueiro Multimissão KC-390.


A propósito, não entendi como a rota da seda passava pelo deserto do Saara.

Felipe Vargas Zillig disse...

Essase obras e projetos tinham a participação de todos , com José Alencar vivo
Quem mudou o Plano de Nação em claro estelionato eleitoral foi dilma
Quem adotou uma política entreguismo e subserviente aos eua foi dilma
Quem a defende desconhece o bom senso de ver que dilma deixou o Brasil de pernas abertas para os eua nestes 16 meses de desgoverno , e se tornam próximos dos amigos de dilma cia dos eua roussef

Fernando Nascimento disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Sarturi, o início da rota da seda, após a travessia do Mediterrâneo, se dá no extremo norte do Deserto Árabe - que não era assim chamado à época a que se refere o jornalista - que é considerado, geológica e geograficamente, como uma extensão do deserto do Saara. http://factfile.org/10-facts-about-arabian-desert Facts About Arabian Desert 9: Sahara Desert Do you know that the Arabian Desert actually is the extension of the Sahara desert? It is very hot and dry.

Anônimo disse...

Evariisto da Veiga escreveu há quase 200 anos:
"Brava gente brasileira! Longe vá... temor servil: Ou ficar a pátria livre Ou morrer pelo Brasil."

A BRAVA GENTE BRASILEIRA ESTÁ NAS RUAS DIARIAMENTE, DIZENDO EM ALTO E BOM SOM: "FORA TEMER" ,"GOLPISTA", PORQUE QUER DEIXAR A PÁTRIA BRASIL LIVRE DESSA QUADRILHA DE GOLPISTAS.
ESSA MESMA BRAVA GRANDE BRASILEIRA QUE SAI NAS RUAS CONCLAMANDO O POVO A LUTAR CONTRA O GOLPE, NÃO MEDIRÁ ESFORÇOS PARA LIVRAR O BRASIL DESSA QUADRILHA QUE SE APOSSOU DO PODER COM UM GOLPE NA DEMOCRACIA, COMANDADA POR CUNHA E POR TEMER QUE EM BREVE DEVERÃO MUDAR SUAS RESIDÊNCIAS PARA UMA CELA DE PRESÍDIO.

Maurici Silva disse...

Mestre, os tartufos estão aí há muito tempo e o resultado todos sabemos. Entendo, que fica difícil, para eles, compreender os sucessos de um governo popular com a impulsão social e econômica, sem a ajuda dos EUA, BRICS e outros agentes que sempre estiveram propostos em criar obstáculos. Ficam cegos à boa importância de esses resultados e continuam com a cantilena - queixa repetida e monótona - de pedaladas, improváveis. Deve doer muito saber que o país têm reservas superiores a 1 trilhão e 500 bilhões de reais, conquistado por um povo regido por um metalúrgico. A meu ver, a pergunta que deveria ser feita pelos opositores é a seguinte: Nos governos anteriores, o que era feito para tamanha poupança? Para onde ia, o que seriam reservas? Como disse: os tartufos reaparecem sonâmbulos e com as suas mãos sujas tentam esconder a verdade e pensam que podem continuar iludindo o povo.

Anônimo disse...

Não haverá paz no Brasil e no mundo enquanto houver cidadãos ávidos a voltar a serem capachos coloniais. Que o Império seja feito em cinzas então, já que não podemos nos livrar dos cornos entreguistas anti-nacionais daqui. Minha torcida é para que o Império do norte seja vaporizado. Logo, de preferência.