3 de mai de 2013

O BRASIL, O MÉXICO E A OMC.


(JB)-O Brasil disputa com o México a presidência da Organização Mundial do Comércio, com candidatura do Embaixador Roberto Azevedo, em momento difícil: os Estados Unidos decidiram buscar, no país vizinho (ao qual se encontra condenado viver geograficamente unido) um aliado preferencial. Embora, aparentemente, um fato possa parecer menor diante do outro, a viagem de Obama se estende à América Central, e não deixa de ser um sinal de seu apoio ao nosso adversário, Hermínio Blanco, do PRI - historicamente ligado a Carlos Salinas de Gortari, o mais corrupto dos presidentes mexicanos do século 20. É bom lembrar que, ao deixar o governo de seu país, em 1994, Gortari pretendia eleger-se presidente da mesma OMC.
              A eleição para a OMC está marcada para o fim deste mês, mas é provável que a decisão seja conhecida muito antes: conforme Keith Rockwell, porta-voz da entidade, não se tratará de uma eleição propriamente dita, mas, sim, de uma “seleção”.
                É ainda mais estranha a candidatura do México, uma vez que a sua participação no comércio internacional se restringe aos Estados Unidos, de que passou a ser, a partir do Nafta, um estado apêndice: oitenta por cento das exportações do país se dirigem ao vizinho do Norte, assim como 40% das exportações dos Estados Unidos se fazem para o México.
             Não há motivos para o espanto: o México é uma vasta oficina de montagem de produtos norte-americanos que, acabados, devem voltar às empresas ianques. O trabalho dos mexicanos, mal remunerado, é reexportado ao resto do mundo. A mais-valia clássica, produto dessa exploração, é                   incorporada aos produtos norte-americanos. Isso explica  o expressivo comércio bilateral.
                Segundo artigo de Andrés Peñalosa, divulgado nas últimas horas, Hermínio Blanco é candidato dos grandes banqueiros e empresários mexicanos, que expressaram seu entusiasmado apoio em uma reunião realizada em Acapulco, há poucos dias. A cidade é considerada capital do narcotráfico no País, e Blanco chegou a ser acusado de “lavar” dinheiro das drogas. Os seus promotores, junto à OMC,  são ligados, pela vida inteira ao PRI, e, em sua maioria, foram beneficiados por Gortari, que lhes entregou as grandes estatais mexicanas.
              Blanco conta com o apoio já declarado dos Estados Unidos e da União Européia. O Brasil aposta no apoio de alguns dos países asiáticos, dos Brics, de grande parte dos países africanos e de seus vizinhos da América do Sul, embora seja provável que o bloco do Pacífico (Colômbia, Peru e Chile) fique com o seu sócio mexicano, e com a Espanha, patrocinadora dessa cunha divisionista em nosso continente.
              A visita de Obama ao México, que se iniciou ontem, é curiosamente  vista com pessimismo pela imprensa americana (a partir do New York Times), e com todo o entusiasmo pró-ianque pelo El País, de Madri.
           Os norte-americanos sabem que, desde a guerra de Polk contra o país de 1846 a 1848, quando os mexicanos perderam quase a metade de seu território, há um sentimento atávico de rejeição aos gringos. A expressão surgiu na própria guerra, porque as tropas americanas avançavam cantando velha balada do folclore britânico, em que se destacava o verso the “green grass” grows o'er him so very, very high. E o  povo mexicano sabe que os norte-americanos querem transformar em jurídicas, as relações de comando norte-americano que já existem de fato, ao propor o controle oficial, pelas suas agências repressivas, do tráfico de drogas.
      Ora, há indícios fortes de acordo secreto entre o novo governo do PRI e os narcotraficantes: o Exército reduziu de 50.000 a 32.000 os efetivos empregados no combate ao comércio de drogas, e essa redução ocorreu também entre os efetivos policiais. Obama, conforme o maior jornal dos Estados Unidos, será bem recebido e obterá promessas, mas não se espera que o projeto jurídico de ampliação do império  sobre o México venha a concluir-se.
      O Brasil vem atuando com prudência diplomática na defesa da candidatura de Roberto Azevedo, a fim de não a vincular aos países emergentes, mas sim de assegurar equilíbrio ao sistema comercial do mundo. Não será fácil vencer os adversários, mas não se trata de uma tarefa impossível.   

Este texto foi publicado também nos seguinte sites:





Um comentário:

Adriano disse...

Fiquei sabendo neste momento da postagem deste comentário que Azevedo foi eleito. Agradeço-lhe por nos ter alertado, Mario.