27 de nov de 2014

INVESTIDOR ESTRANGEIRO NÃO DÁ "BOLA" PARA A "CRISE" E SEGUE APOSTANDO FIRME NO BRASIL



(Do Blog) - Enquanto, aqui dentro, refém da síndrome da “crise” e do “fim do Brasil”, muita gente está com medo de fazer negócios ou adiando investimentos, os estrangeiros, menos afeitos à imprensa local e aos comentários nos portais da internet, continuam apostando firme na segunda economia das Américas e  sétima maior do mundo.


A Comissão Econômica para a América Latina, informa que, até setembro, o IED - Investimento Estrangeiro Direto, caiu em cerca de 28%, em média, no continente, com destaque negativo para o México (- 18%), tido como o “queridinho” dos mercados. Enquanto isso, ainda segundo a CEPAL, o Brasil foi o único país em que cresceu o Investimento Estrangeiro Direto - acima de 8% - que deverá se manter em um patamar superior aos 60 bilhões de dólares até dezembro, sem queda expressiva com relação aos últimos anos.


Segundo informa o “Valor Econômico”, as estatísticas do Banco Central mostram que os investidores nacionais e estrangeiros reagiram de forma bem distinta quanto a  um segundo mandato para  Dilma Roussef.


Se o investidor local, no período eleitoral e pós eleitoral, tirou dinheiro do país, os estrangeiros -  certamente motivados pelo fato de o Brasil ter voltado a ter superávit primário no mês passado, ainda ter reservas acima de 375 bilhões de dólares, com uma dívida líquida pública de apenas 33% do PIB, e por recomendações de compra de ações como as da Petrobras, feita pelo Deutsche Bank, há alguns dias - apresentaram forte aporte em IED e na compra de títulos públicos e ações, com ingresso conjunto, no país, de mais de 11 bilhões de dólares em outubro.

Mais informações:

http://noticiasbancarias.com/economia-y-finanzas/03/11/2014/la-inversion-extranjera-en-america-latina-disminuye-un-23/73236.html#comment-1309

http://www.streetinsider.com/Analyst+Comments/Deutsche+Bank+Starts+Petrobras+(PBR)+at+Buy/10030402.html



Um comentário:

Anônimo disse...

O Brasil é considerado um pais extremamente "elástico" e portanto bom para investir. A "elasticidade" aqui diz respeito a extraordinária capacidade que o brasileiro comum tem de progredir e produzir (contráriamente ao que ocorre na maioria absoluta dos outros paises sul e centro americanos). A resiliência do brasileiro, apesar dos péssimos governos, dos serviços publicos inexistentes, da corrupção espantosa, do indice alto de acidentes e da monumental falta de segurança, fazem com o que os estrangeiros se sintam relativamente confortáveis em investir. Mas não é por causa dos nossos governantes...