25 de fev de 2015

E SE FOSSEM OS RUSSOS ?




(Hoje em Dia) - O advogado e blogueiro Pettersen Filho reproduz, em seu blog, anúncio da embaixada dos EUA, recrutando jovens “líderes” brasileiros, como “bolsistas”, com a seguinte mensagem:


“O Departamento de Estado dos EUA, por meio do Atlas Corps – uma rede internacional de líderes sem fins lucrativos, tem o prazer de anunciar oportunidades para líderes emergentes da sociedade civil para obter bolsas de estudos de 6 a 18 meses nos Estados Unidos. Interessados em se candidatar devem ter de 2 a 10 anos de experiência trabalhando em alguma ONG, nível universitário, até 35 anos de idade e fluência na língua inglesa… 

Os bolsistas selecionados serão inseridos em uma organização renomada na área social nos Estados Unidos. Despesas com passagem aérea, visto de entrada nos EUA, seguro saúde, alimentação, transporte local e acomodação partilhada serão totalmente custeadas. Informações sobre o programa e como se candidatar estão disponíveis no site:http://apply.atlascorps.org.”


Não bastando trazer ONGs de fora, ou criar, aqui mesmo, organizações que se infiltram nos mais diferentes segmentos da sociedade brasileira - e, como lembra Pettersen - estão especialmente ativas na Região Amazônica, os EUA seguem firmes em sua permanente estratégia de cooptação de jovens "líderes" locais de todo o mundo, por meio de organizações de fachada, ou “associadas”.

A esperança é a de que eles, em seu retorno, espalhem o que "aprenderam"  e atuem na defesa dos interesses norte-americanos. 

Melhor, ainda, se, no futuro, alguns chegarem a posições proeminentes em seus respectivos países,  para,  como reza o slogan do AtlasCorps, "mudar sua perspectiva e mudar o mundo" - como aconteceu,  com certeza, ao menos quanto à primeira metade da frase, com um jovem sociólogo brasileiro, financiado, nos anos 1960 - como lembrou em artigo o jornalista Sebastião Nery - pela Fundação Ford, com expressiva quantia para fundar uma organização chamada CEBRAP, muitos anos antes de chegar à Presidência da República.

Se fossem os russos e os chineses - parceiros do Brasil no BRICS - ou os cubanos - conhecidos por seu envolvimento em causas humanitárias, como o combate ao Ebola - que publicassem por aqui anúncio semelhante, dá para imaginar como seria o alarido fantasioso e anacrônico, “anticomunista” e “anti-bolivariano", dos hitlernautas brasileiros, nos portais e redes sociais. 

Mas como se trata dos EUA - prestes a estrear, nos cinemas nacionais, nova campanha de lavagem cerebral, com o filme "American Sniper" - nação "libertadora" do Iraque, da Líbia e da Síria, países em que suas guerras e "primaveras" deixaram  milhões de mortos e refugiados e que estão entregues agora a terroristas originalmente armados pelos próprios EUA para combater quem estava no poder anteriormente - o assunto, com exceção de alguns sites da "blogosfera", quase passa em brancas nuvens por aqui.

2 comentários:

Marco Rocio disse...

Prezado Mauro,

Não me surpreende que se denuncie aqui a possibilidade de um complô externo contra o País, pois faz parte do discurso nacionalista. Muito embora isso não seja novidade, pois as nações, quaisquer que sejam elas, estão em permanente conflito com as demais. O que muda é a intensidade.

Grato por sua atenção, Marco Rocio

O que me surpreende, de fato, é a omissão do perigo interno, esse sim esfacela a Nação. Como. por exemplo, o assassinato, pelo Exército Brasileiro, de dois nacionais na favela da Maré, no fim de semana passado. Me surpreende a omissão às atrocidades cometidas pela polícia militar do Rio de Janeiro na mesma favela e em outras áreas pobres da cidade, sob o beneplácido da política de "segurança" do Ministério da Justiça. Me surpreende também a omissão à chacina de doze jovens pobres em Salvador perpretada pela PM, para regozijo do recém-eleito governador do PT, o sr. Ruy Costa.

Esses fatos, e centenas, milhares de outros, constituem a verdadeira ameaça à Nação e, principalmente, a seu povo. Reafirmo que de nada adiantam números, aviões, tanques de guerra, foguetes, submarinos, reservas cambiais, belos índices macroeconômicos se o povo é desprezado, vilipendiado, massacrado, chacinado dia e noite, incessantemente nesse País. Se meia dúzia de bobalhões vão aos EUA ou à Colômbia aprender a dar golpe é totalmente insignificante, se o povo trabalhador não sofresse tanto nas mãos desse Estado pós-colonial assassino.

Anônimo disse...

Um outro ex-presidente, também representante brasileiro no Consenso de Washington, fez dois cursos na CIOLS, entidade criada por associação da CIA com a Máfia e à qual o importante líder filiou a CUT.
Manoel Carlos