12 de fev de 2015

O DRAGÃO E O URSO




(Hoje em Dia) - Depois de afirmar - sob pressão de um Congresso majoritariamente republicano - que pretendia enviar armamento letal "defensivo" para ser usado pelo governo ucraniano contra  “rebeldes” de cultura e etnia russa, o presidente dos EUA, Barack Obama, amenizou suas declarações, após se encontrar com Angela Merkel na Casa Branca.

A chanceler alemã e o presidente francês, François Hollande, se reuniram com Petro Poroshenko e Putin nesta semana, para tentar estabelecer as bases de um acordo de paz que evite uma escalada do conflito, que já deixou um saldo de mais de 6.000 mortos e um milhão e meio de refugiados. 

Mas ao mesmo tempo em que fala em paz, a Europa reforça, por meio da OTAN, sua presença militar nas fronteiras da Ucrânia, em países como a Estônia, a Letônia, a Lituânia, a Polônia, a Romênia e a Bulgária.

França e Alemanha sabem que os EUA não são um país europeu - logo, não estariam, ao menos, em princípio, diretamente ameaçados - e tentam minorar os efeitos dos erros cometidos com a derrubada de Yanukovich, que mergulharam o país em uma guerra civil, e colocaram no poder, ou em torno dele, neonazistas como os do Partido Svoboda, agora responsáveis por ataques não apenas a antigos veteranos soviéticos da Segunda Guerra, mas também a judeus, ciganos e outras minorias.

A sub-secretária de estado Victoria Nuland, reconheceu, em dezembro, em conferência no Clube Nacional de Imprensa,  em Washington, que os EUA “investiram” mais de 6 bilhões de dólares na Ucrânia nos últimos anos, para o “desenvolvimento de instituições democráticas” - um eufemismo para “desestabilização” - tática já utilizada em outras ocasiões e lugares, como no Chile de Allende e no Brasil de 1964.

A Ucrânia não é o Iraque,  a Líbia ou a Síria, onde  OTAN e EUA armaram, ali, para derrubar governos relativamente estáveis, terroristas que agora formam o Estado Islâmico. 

Para além de suas fronteiras, ao norte e ao leste, não está apenas mais um país pequeno a ser invadido, como na teoria do dominó, obedecendo à estratégia “ocidental” de destruir, com suas “primaveras” de araque,  os povos e nações que se colocarem em seu caminho.

Com 17 milhões de quilômetros quadrados, maior país do mundo em extensão territorial, a Rússia possui milhares de mísseis apontados para os EUA, cada um com várias ogivas atômicas; tem uma indústria bélica altamente desenvolvida; e não está sozinha no enfrentamento de certas potências do “Ocidente” que acham que podem se intrometer em qualquer região do mundo como se estivéssemos ainda no século XX.

Afinal - e é preciso não esquecer isso - Moscou é um fator fundamental na estratégia de outro ator imprescindível, que, com a segunda economia  do planeta; um bilhão e quatrocentos milhões de habitantes; armamento nuclear próprio e 2.300.000 homens em suas forças armadas, observa atentamente tudo o que está ocorrendo no conflito ucraniano: a China.

Um comentário:

Anônimo disse...

Acho que é um dos poucos artigos lúcidos em Português sobre o assunto.
Parabéns.