12 de jan de 2018

BNDES: O AUSTERICÍDIO NEOLIBERAL EVITA QUE SEJAM INVESTIDOS NA ECONOMIA CENTENAS DE BILHÕES DE REAIS DEIXADOS PELOS GOVERNOS ANTERIORES NOS COFRES BRASILEIROS.




(Do blog) - Mentirosamente acusado de ter sido “quebrado” pela “incompetência” e “ladroagem” do PT, que deixou em seus cofres, no final do governo Dilma, a miserabilíssima quantia de mais de 200 bilhões de reais em caixa e um total de ativos de cerca de 800 bilhões, o BNDES corre o risco de derreter com a sucessão de “pagamentos” “adiantados” ao Tesouro (de uma dívida que teria 30 anos para pagar) feitos pelo atual governo.

Não satisfeita em ter sangrado dos cofres da instituição, em 2015 e 2016, em 130 bilhões de reais, a administração Temer pretende sacar mais 130 bilhões em 2017 e 2018, para diminuir teoricamente uma volúvel dívida pública – cujo valor em dólares aumenta ou diminui a cada vez que alguém arrota em Wall Street - em relevantíssimos menos de 6%.

Palmas para a turma de banqueiros privados - relíquia caterva - que se encontra encastelada atualmente no governo.

Afinal, o país NÃO está precisando de investir centenas, dezenas de bilhões de reais, na retomada de obras irresponsavelmente paralisadas – pela recessão e principalmente pela “justiça” - em todo o país, nos últimos quatro anos.

O governo, com a desculpa de não ter dinheiro, NÃO está cortando as verbas de tecnologia, defesa, investimentos, reduzindo este último quesito a apenas 3% do orçamento neste ano.

O Brasil NÃO tem necessidade de criar vagas de trabalho, com mais de 12 milhões de cidadãos procurando emprego.

A despesa do país NÃO tem aumentado exponencialmente, desde a queda de Dilma, em outras áreas como a do aumento de salários da nata do funcionalismo, por exemplo, enquanto o salário mínimo é reajustado em menos de 20 reais, o menor aumento em 24 anos. 

As empresas arrebentadas pela Operação Lava Jato, que desempregaram cerca de um milhão de trabalhadores, NÃO estão precisando de alternativas de financiamento, depois de terem sido golpeadas por gigantescas multas e de ver o seu crédito e o crédito de seus fornecedores, além do patrimônio de seus investidores e acionistas, ir por água abaixo devido à abertura de inquéritos e processos baseados apenas no depoimento verbal de dedo-duros interessados em tirar o seu da seringa, sem necessidade da apresentação prévia de qualquer prova concreta.

Ora, o que importa é manter a qualquer preço o discurso cínico e mendaz de que o Brasil está quebrado, ou melhor, de que ele foi quebrado pelo PT, quando, além das centenas de bilhões de reais deixados nos cofres do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, os governos Lula e Dilma, além de pagar a dívida de 40 bilhões de dólares com o FMI, em 2005, ainda deixaram 340 bilhões de dólares - ou mais de um trilhão e duzentos bilhões de reais - em reservas internacionais nas arcas federais, e uma relação dívida pública-PIB – bruta ou líquida - menor do que havia em 2002, no fim do governo Fernando Henrique Cardoso.

Por trás do enxugamento do BNDES - tirando do Brasil a capacidade de competir com grandes bancos de fomento das principais nações, como os EUA, a Alemanha, a Coréia, o Japão, a China -  como aliás ocorre com a proposital destruição de outros bancos oficiais, com o corte em linhas de financiamento e o fechamento de centenas de agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, nos últimos meses - está a velada intenção, sutil como um dinossauro saindo de um poço de lama, de diminuir a oferta de crédito e serviços de instituições públicas, para empurrar obrigatoriamente correntistas e empresas para os braços de bancos privados, incluídos estrangeiros, que cobram juros mais caros, com a estapafúrdia desculpa de que o setor bancário “público” – que em alguns casos já conta com instituições com ações em bolsa - cresceu demasiadamente nos últimos anos.

E esmilinguir grandes empresas, como a Petrobras, a Eletrobras, o próprio Banco do Brasil e a Casa da Moeda, por exemplo, para justificar o seu “enxugamento” e a privatização de seu controle em médio ou longo prazo.

Enfraquecendo o país, desnacionalizando a economia e vendendo o futuro da nação e os instrumentos estratégicos imprescindíveis ao seu desenvolvimento – como ocorreu nos anos 1990 - na bacia das almas, a preço de banana, pela  porca e abjeta quantia de 30 dinheiros.

Um comentário:

jacyra de castro disse...

Parabens Santayana! Brilhante como sempre.