24 de out de 2011

A ALIANÇA EBX – FOXCONN. APLICAR O DINHEIRO DAS COMMODITIES TAMBÉM NA INDÚSTRIA DE DEFESA, EIS O X DA QUESTÃO.

Boa notícia que o Sr. Eike Batista, da EBX, esteja estudando associar-se aos chineses da Foxconn para a produção de eletro-eletrônicos de primeira linha como tablets, no Brasil. Seria importante que outras empresas de capital nacional que lucram com a exportação de produtos primários, como a Vale, também aplicassem parte de seus lucros na fabricação de produtos de alto valor agregado, entrando em outras áreas, como é o caso da indústria bélica.

O fato de não termos grandes grupos nacionais, com poder de alavancagem de bilhões de dólares na indústria bélica, nem um grande complexo industrial estatal no setor, nos leva a determinados absurdos, como é o caso de não se exigir, por exemplo, mais de que 65% de nacionalização na fabricação dos 2000 blindados encomendados à IVECO.

Isso quer dizer que, em caso de guerra, quando nosso material começar a ser destruído na linha de frente, vamos ter que ir a Roma ou a Turim mendigar peças de reposição para nossas linhas de montagem, e levar na cara um tremendo não, redondo, caso o inimigo que estejamos combatendo seja um país ocidental.

O grupo Cassidian, da EADS, a grande empresa de defesa européia, está anunciando com grande estardalhaço na imprensa estrangeira sua entrada no mercado brasileiro para “cooperar” com nossa indústria de defesa.

Nossos militares tem que entender, apesar de sua formação ancestral em escolas como a francesa e depois a norte-americana, que o Ocidente, na hora de agir contra paises sul-americanos, não fará nenhuma diferença, como aconteceu com a Argentina na Guerra das Malvinas, entre o Brasil, uma Libia ou o Afeganistao.

Em nome da contenção da expansão do Brasil sobre o Atlântico Sul, por causa do pré-sal, ou da “defesa” da natureza na Amazônia, pode se montar uma coalizão entre países europeus e os Estados Unidos, para agir ao arrepio da ONU, de um dia para o outro, com a mesma facilidade com que se montou a agressão contra o Iraque.

Para isso, como aconteceu com as famosas “armas de destruição em massa”, que nunca apareceram, basta uma campanha midiática, como as diversas que já estão em andamento – e que podem ser facilmente intensificadas – como é o caso da que se opõe à construção de Belo Monte, por exemplo.

No campo da defesa, o Brasil tem que se esquecer de países como a França e a Itália, que sempre, no frigir dos ovos, vão ficar do lado da Inglaterra e dos Estados Unidos, e desenvolver suas novas gerações de armamento com o BRICS.

Rússia, Índia e China, devido à distancia geográfica que mantêm com relação ao Brasil e ao fato de terem de cuidar – mesmo no caso da África do Sul - de suas própria áreas de influência - dificilmente irão entrar em guerra contra o Brasil.

Temos que desenvolver, com eles, um novo caça-bombardeio para o BRICS, um novo blindado pesado para o BRICS, um novo helicóptero de assalto para o BRICS, uma nova geração de submarinos nucleares para o BRICS, um novo porta-aviões para o BRICS, novos mísseis ar-ar, terra-ar, e de cruzeiro, para o BRICS, e com eles trabalhar na pesquisa de armas revolucionárias, na fronteira do conhecimento, como as munições cinéticas que estão sendo desenvolvidas pelos Estados Unidos para a sua marinha, por exemplo.

Apesar dos sorrisinhos e dos tapinhas nas costas nos encontros multilaterais, nos “cursos” de aperfeiçoamento ou nos coquetéis dos adidos militares em Brasília – quantas vezes os generais de Khadafi ou de Saddam não foram afagados por esses mesmos mimos? - o pessoal de nossas Forças Armadas precisa entender que o Brasil só poderia se aliar ao Ocidente se pelo Ocidente fosse tratado como igual entre seus pares.

Basta entrar na internet e ver os comentários pejorativos, discriminatórios, eivados de preconceito e de ignorância com que o Brasil é brindado todos os dias e a propósito de qualquer assunto por parte de norte-americanos, italianos, franceses ou ingleses, e até mesmo de seus sócios menores, como os portugueses ou os espanhóis, para ver que isso não tem a menor chance de acontecer.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:

http://planobrasil.com/2011/10/24/a-alianca-ebx-foxconn/#comment-112668

http://www.desenvolvimentistas.com.br/blog/carlosferreira/2011/11/01/alianca-ebx-%E2%80%93-foxconn-aplicar-dinheiro-das-commodities-tambem-na-industria-de-defesa-eis-da-questao/

http://grupobeatrice.blogspot.com/2011/10/no-campo-da-defesa-o-brasil-tem-que-se.html

http://gilsonsampaio.blogspot.com/2011/10/alianca-ebx-foxconn-aplicar-o-dinheiro.html

http://ronaldolivreiro.blogspot.com/2011/10/mauro-santayana-alianca-ebx-foxconn.html

5 comentários:

Anônimo disse...

Pode incluir nesta lista de comentários pejorativos toda a nossa elite, pronta para entregar o pais , para quem pagar mais.

Mauro Santayana disse...

Não tenha dúvida. Em um comentário sobre a preocupação do nosso Ministro da Defesa com a atuação da OTAN no hemisfério sul, um gaiato postou: "tá com medinho da OTAN, né, seu Amorim ? Quem mandou ficar do lado errado?"

empalador. disse...

destruidor!mas e exatamente isso,so nao enxerga isso os TRAIDORES DA PATRIA e corruptos que se venderam,a historia esta ai para provar tudo e mais um pouco.

tenho uma comunidade no orkut que futuramente irei levar para o facebook,sobre (Brasil)geopolitica e defesa(o nome e esse mesmo),e sempre posto os artigos do mauro.

parabens!

Anônimo disse...

Enquanto o conhecimento acerca de operações psicológicas, guerra informacional e temas correlatos continuar oculto ou restrito a uma minoria insignificante de "atores", a submissão/subversão mental do brasileiro que assiste a TV, lê jornal, folheia revista continuará sendo componente importante/estrutural de nossa realidade.

Como explicar, por exemplo, que livros são considerados, na perspectiva do pessoal "das internas", "the most important
weapon of strategic (long-range) propaganda"? (http://www.archive.org/details/finalreportofsel01unit , p.193)

Como explicar para o seu vizinho as relações mídia-academia-inteligência descritas nesse relatório do Senado americano e em centenas de outros documentos oficiais?

Tenho a impressão que mesmo nossos melhores e mais honestos jornalistas - excluo o Mauro dessa lista - não compreendem (porque não são capazes de conceber mentalmente) a profundidade e a sofisticação da arte da manipulação informacional.

Dezenas de manuais militares s civis de propaganda podem ser lidos em sites sérios como www.fas.org (Federation of American Scientists).

Muita gente sabe dessas coisas - servidores civis, gente que fez cursos da ESG, militares, entre outros. A que fatores se pode atribuir a inexistência de discussão pública desses assuntos?

Mauro Santayana disse...

Tem razão, anônimo. A informação é um fator estratégico para a construção da soberania e a projeção de poder geopolítico. Os norte-americanos só venceram a URSS, porque os russos não tinham uma Holywood. Mas os chineses estão mais atentos a isso.