26 de out de 2011

O ESPORTE E O PODER

Como quase todas as atividades sociais, os esportes - e, principalmente, o futebol - passaram a ser administrados pelas razões do capitalismo, e se tornaram um dos maiores negócios do mundo. A FIFA não é, e faz tempo, uma associação mundial de federações nacionais de futebol, mas o centro de um oligopólio internacional dessa modalidade do show-business. Os velhos e tradicionais clubes, ricos uns, pobres outros, não pertencem mais aos milhares de associados. Eles decidiam, em eleições periódicas, quais deles deveriam encarregar-se da direção das entidades, da administração do patrimônio, da escolha dos técnicos e da contratação de jogadores. Hoje, no mundo inteiro, quase todos os clubes têm dono. Quando não o têm diretamente, subordinam-se a contratos de patrocínio e de publicidade que expulsam das decisões os torcedores.

Devemos partir dessa constatação para tratar dos problemas que a Presidente Dilma Roussef está enfrentando, diante das denúncias de corrupção contra o Ministério dos Esportes. Em um negócio bilionário, como é o da realização de um campeonato mundial de futebol, todas as cautelas são poucas. Uma vez que assumimos o compromisso de sediar a Copa, temos que tratar seriamente do assunto, e é preciso que uma força de trabalho, excepcional, e interministerial, cuide das providências governamentais, e atue com firmeza, na defesa de nossa soberania, da segurança do evento, e da lisura de todos os procedimentos que envolvam o dinheiro público. É uma situação excepcional que exige tratamento excepcional.

Se o Ministro dos Esportes é responsável por algum desvio de conduta ética, cabe às autoridades apurar os fatos e, assim fazendo, levar o caso aos tribunais – depois de afastar o suspeito do cargo. Razão tem a presidente: ela não pode atuar sob a imposição das acusações, sem que essas denúncias sejam realmente comprovadas - ou se fundem em evidências convincentes. Ela agiu assim em todos os casos ocorridos em seu governo de dez meses. Atuou dessa forma diante das denúncias contra o Chefe de sua Casa Civil, um dos próceres do maior partido de sustentação do governo. Deu-lhe todas as oportunidades para desmentir os fatos. Infelizmente, seus argumentos não sensibilizaram a opinião pública, porque confessaram o inadmissível, que ele se enriquecera em pouco tempo, prestando consultoria a firmas que deviam ser mantidas em segredo. Se o Ministro fora vítima de fogo amigo, de que há indícios fortes, isso não interessa ao país. Na defesa do Estado, a presidente agiu com firmeza, e o demitiu. Os outros casos foram tratados da mesma forma: os acusados dispuseram de tempo para desmentir as denúncias; não o fazendo, foram compelidos a afastar-se. Com o Ministro Nelson Jobim os motivos foram outros, e ela, na defesa do governo e de sua autoridade como Chefe de Estado, não hesitou em afastá-lo.

Há quem, pela imprensa e pela internet, conceda mais força ao Ministro dos Esportes pelo fato de ter sido secretário geral de Agnelo Queiroz - então seu colega de partido - que ocupava o cargo. Como Agnelo entrou para o PT e se elegeu governador do Distrito Federal, o Ministro Orlando Silva estaria blindado. Ora essa blindagem é tênue. Muito mais blindado, se aceitamos a metáfora, se encontrava o Ministro Antonio Palocci. O cargo de governador do Distrito Federal não absolve ninguém de erros passados, se erros houve no caso, nem dá ao titular o poder de arbitrar o comportamento da presidente da República.

A Presidente Dilma Roussef, ao contrário do que previam alguns de seus adversários, está demonstrando invulgares virtudes políticas. Ela tem sido paciente, mas firme; mantém o natural respeito e amizade para com o seu antecessor, o Presidente Lula, mas isso não a impede de governar com autonomia – a autonomia que lhe foi conferida pelo voto popular. E é à Nação de brasileiros que ela tem que prestar contas, dia a dia, até que passe a faixa a seu sucessor, ou sucessora. o envolvendo o Ministdas denesidente Dilma Roussef est

Imposição do famoso Consenso de Washington, o tal “terceiro setor”, constituído de organizações não governamentais, tem sido, em alguns casos, além de perigosa inserção estrangeira nos assuntos nacionais, ao assumir prerrogativas do Estado, sem a legitimidade do voto, mas com recursos do orçamento, um espaço ideal para o desvio de recursos públicos.

É necessário dar um fim a essas organizações, criadas a partir do fundamentalismo mercantil, da globalização, do neoliberalismo. O Estado não pode delegar sua responsabilidade a terceiros, colocando em risco a governabilidade e a imagem da nação.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:

http://contextolivre.blogspot.com/2011/10/o-esporte-e-o-poder.html

http://gilsonsampaio.blogspot.com/2011/10/o-esporte-e-o-poder.html

http://sitedeesportes.com/?p=2132

2 comentários:

Ramon Limeira disse...

A dobradinha Veja-Globo está demonstrando uma capacidade indesejável de submeter os ministros ao tal do julgamento político, até agora com invariável desfecho. No caso do já ex-Ministro Orlando Silva, a reputação do acusador é tão fraca quanto as evidências apresentadas para sustentar o envolvimento do acusado, mas a insistência em reapresentar, durante duas semanas, as mesmas acusações surtiu o efeito talvez almejado pelos dirigentes da FIFA.

Eugenio disse...

Acho que deveria ter sido a tomada ante, a solução de afastar o ministro até que se apure tudo. Neste ponto a melhor saída seria como fez o presidente ITAMAR FRANCO, afasto o ministro da Casa Civil a época, quando não se encontrou nada contra o ministro Hargreves, ele voltou. Acho que da qui pra frente, no caso de duvida, a presidenta DILMA poderia fazer o mesmo.