10 de out de 2012

A MÃO ESTENDIDA DE CHAVEZ


“Pode não ser para amanhã - dizia o professor Afonso Arinos, quando presidia à Comissão de Estudos Constitucionais, em 1986 -, mas o mundo caminha para a esquerda”. A vitória de Chávez na Venezuela, e os resultados eleitorais  no Brasil,  parecem dar razão ao intelectual e político mineiro que, a partir de certo trecho da vida, abandonou a visão conservadora do mundo. Uma frase definidora de sua revisão ideológica foi a de que as favelas de nosso tempo são as senzalas do passado.
                           A política não se faz aos pulos, da mesma maneira que natura non facit saltus: para chegar à esquerda, é preciso passar pelo centro. Chávez jamais escondeu seus projetos e suas idéias. É provável que, se estivesse vivo, Bolívar –  grande herói da independência hispano-americana e paladino da ascensão dos mestiços ao poder – não comungasse dos mesmos ideais socialistas do líder de hoje. Uma coisa era o mundo de 1810, outra o mundo de nossos dias. Como sabemos, Marx nasceu em 1818. Alem disso, Chávez não é rigorosamente um marxista e tampouco pode ser identificado como intelectual. Ele, como Lula e, bem antes, Josip Tito, são homens do povo, conduzidos pela consciência de classe, diante do sofrimento e da injustiça.
               O processo eleitoral da Venezuela é o mais fiscalizado do mundo. Os próprios norte-americanos, que gostariam de ver Chávez longe do poder, e que enviam regularmente seus observadores quando há eleições no país, são forçados a reconhecer a lisura do sistema. Chávez, apesar de seus arroubos oratórios, que se inspiram na particular visão do mundo dos mestiços andinos, é um homem lúcido. A enfermidade deve tê-lo feito refletir sobre a sua responsabilidade diante do futuro, e na necessidade de não legar aos pósteros uma nação dividida em duas facções.
       Em razão disso, tomou uma atitude inusitada: em lugar de esperar que o vencido, Capriles, o cumprimentasse pela vitória, telefonou para o adversário, com quem manteve uma conversação amistosa, e, em seguida, estendeu sua mão à oposição, propondo o entendimento para vencer as dificuldades do país.
      Chávez, como reiterou, não renunciou ao projeto de “socialismo bolivariano”, mas tampouco demonstrou pressa em implantá-lo. Ele está profundamente preocupado com a espiral da violência em seu país, e sabe que é preciso mobilizar toda a sociedade, a fim de evitar a mexicanização da Venezuela. É a mesma preocupação que parece mover o Presidente Juan Manuel Santos, da Colômbia, na busca do entendimento com as Farc. Essa é a plataforma para a civilidade do debate político.
      Em nosso país, pelo menos até agora, a direita recuou em várias regiões. Não é exagero concluir que o eleitorado deu um passo em direção à esquerda. É essa consciência do possível, diante da ameaça de que a criminalidade organizada ocupe o Estado, que parece despertar em nosso continente.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:



5 comentários:

Anônimo disse...

Dois poeminhas meus e recentes:

SUPREMA SÚCIA

O supremo tribunal da inquisição
Construiu uma jurisprudência nova:
Cassou o sagrado direito de apelação
Para condenar o Zé Dirceu sem prova!

RECEITA
...
Para esse país entrar nos trilhos
Necessita acabar com essa elite demente
Que destrói o futuro de seus filhos
Em troca de umas migalhas no presente!

Anônimo disse...

Caro Mauro,

Não tenho visto mais a sua coluna no JB. Onde posso acompanhar a sua lucidez em periódico impresso agora?

Um abraço,

Sepé Tiaraju, ainda à espera do seu próximo livro (quem sabe uma coletânea dos melhores textos postados?)

Mauro Santayana disse...

Caro Tiaraju,

Imprtesso, agora, o Hoje em Dia, de Belo Horizonte, e a Revista do Brasil, e, na internet, o Jornal do Brasil, e a Carta Maior. Qto aos livros, estamos preparando alguns lançamentos, começando com À SOMBRA DE DEUS - textos sobre política e religião.

Um abraço,

Jean disse...

Abaixo-assinado em prol de um novo Marco Regulatório das Comunicações: http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N30163 Participem!

Anônimo disse...

Depois que o método cubando de iniciar revolução falhou quando quem foi avisado do congresso de Ibiúna foi general sensato que prendeu todo mundo sem disparar um só tiro, todos esses foram convidados a irem para Cuba, ser especialistas em todos os métodos de camuflagem das suas ações, trocar de cara e identidade e vir para o Brasil, agora fazer a revolução por dentro do tecido social/partidário e da alta intelectualidade acadêmica. Entretanto, apenas Dirceu aceitou. Mas, quando chegou a ditadura já estava gestando a sua própria ¨esquerda¨ e até tinha predestinado Lula para ser presidente, condição fundamental para que houvesse abertura política. Dirceu não tinha outra chance se não ficasse ao lado de Lula e paralelamente construísse sua base política. Feita a abertura, coisa que Golbery tinha prometido, como deixar o Brasil limpo das demais forças políticas de esquerda, especialmente o brizolismo, não tinha se cumprido de todo, pois esse ainda apresentava força eleitoral ameaçadora até ao lulismo. Como se consegue ante um quadro desse ganhar l eleição dependendo apenas do que militante mulambendo arrecada vendendo jornal em ônibus, quanto diversas fontes de recursos públicos estavam disponíveis para ser ¨amealhada¨ por uma boa camuflagem?