14 de nov de 2013

SITE DA CRUZEX 2013 VEM COM BANDEIRA DOS ESTADOS UNIDOS


Parabéns à FAB pela brilhante organização dos exercícios militares aéreos da Cruzex 2013 no Nordeste. 
Com todo o respeito pela nossa Força Aérea,  faço, no entanto, duas observações: a recente inclusão dos EUA e do Canadá, países da OTAN, no evento, que é realizado desde 2002, eliminou a possibilidade de transformá-lo no primeiro projeto do embrião de um sistema de manobras militares conjuntas e periódicas, envolvendo um grande número de países da UNASUL e do Conselho de Defesa Sul-americano.
Esse fato abre a possibilidade de que outro país sul-americano o faça, se a FAB não estudar a inclusão em seu calendário de manobras, de um outro encontro, sem os EUA e o Canadá como participantes.
Em segundo lugar – o pessoal do Comando da Aeronáutica pode não ter percebido - a imperdoável ausência do espanhol – língua da grande maioria dos países convidados - do site oficial do evento, que tem como alternativas ser lido apenas em português ou em inglês, este último idioma assinalado com o absurdo - para o local e a circunstância - botão de uma bandeira dos Estados Unidos.
Como dizia o professor da escola de homens-bomba, o diabo está nos detalhes, ou "os grandes problemas vêm em pequenos pacotes".
A não ser que os EUA fossem co-organizadores do evento ou seus patrocinadores, o que não é o caso, a omissão representa, no mínimo, uma descortesia e um equívoco estratégico (que talvez ainda possam ser resolvidos a tempo) com países e clientes do Brasil, como a Força Aérea do Equador, que compareceu com seus novos Super-Tucanos.
Na pior das hipóteses, fica um recado de rasteira subordinação aos EUA (por que não uma bandeira do Canadá, país que também tem o inglês como língua, ou simplesmente as opções português/english por extenso?). E, como para bom entendedor um pingo é letra, uma mensagem que poderá ser interpretada por oficiais de forças áreas sul-americanas como: “olhaí, cucarachas... nós e nossos amiguinhos gringos estamos por cima, e vocês, por baixo”: 

http://www.cruzex.aer.mil.br/index.php


Este texto foi publicado também nos seguintes sites:



     

6 comentários:

Anônimo disse...

Por cima... Caças F-5M, A-1M.... estamnos muito por baixo, inclusive na America Latina... Daí nossa subordinação. E o governo o que que faz: corte do orçamento da Forças Armadas, paneja o orçamento que nao paga o próprio custeio, soldos que nao refletem o treinamento e as exigencia que os militares sao submetidos. Realemente a situação ta difícil...

Bento disse...

Herzog não era um alvo carneirinho, não, Mauro, era um dos cabeças do comitê central que em 1963 pretendia instalar no Brasil pela força um regime totalitário com paredões e gulags.

Anônimo disse...

Herzog nunca pegou em armas e tinha direito,em um país democrático, de pertencer ao partido que quisesse.Foi morto assassinado e torturado, depois de se apresentar, de cara limpa, e peito aberto, para depor onde tinha sido intimado.

Anônimo disse...

Precisamos reequipar urgentemente nossas Forcas Armadas, alem de defenestrar de seus quadros os que estao abaixo do padrao moral exigido.

ops disse...

Criticar a falta de uma página em espanhol é totalmente compreensivo, principalmente porque a maioria dos países envolvidos na CRUZEX falam aquela língua. Mas daí achar que os EUA e o Canadá não deveriam ser convidados por pertencerem a OTAN é demais. O protocolo das operações seguem o padrão da OTAN. No mais a participação de ambos os países serve como uma excelente oportunidade a todos os envolvidos de trocarem experiência com quem realmente entende desse tipo de treinamento e vivencia operações reais cotidianamente.

Anônimo disse...

CRUZETA

Para melorar o padrão, melhor seria colocar todo o pessoal da OTAN, ou pelo menos os mais influentes. Então ficara assim: Estados Unidos, Canadá,
Inglaterra, França, Alemanha. Quanto ao nome passaria a ser Operação CRUZETA. [Chico Barauna, 28-11-2013].