13 de ago de 2014

A CONTA DE GAZA



(Hoje em Dia) - Confrontado com a tragédia humanitária em Gaza, o Secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, declarou que o conflito entre Israel e o Hamas precisa ter fim, e que a ONU está disposta, “pela última vez”, a ajudar na reconstrução da área.
Na região, as coisas funcionam assim: Israel  destrói o que quer, quando quer, e depois o mundo paga a conta, até o próximo ciclo de destruição - reconstrução - destruição.
A conta em sangue de Gaza, que chegava, anteontem, a mais de 1.900 palestinos mortos, sendo 1.380 não combatentes, entre eles 423 crianças, e a milhares de feridos, é incalculavelmente cara, e, como outros massacres históricos contra a população civil,  jamais poderá ser resgatada.
Além do preço em vidas, dor, assistência médica de emergência, cuidados com pessoas que ficarão paraplégicas, tetraplégicas, e que precisarão de atenção pelo resto de suas vidas, há, ainda, o custo da reconstrução física do que está sendo arrasado pelas armas e bombas israelenses.
Há uma semana, a ONU calculava que cerca de 12.000 casas e apartamentos já tinham sido destruídos, com um prejuízo de 4.5 bilhões de dólares, mas avaliações palestinas, que incluem estradas, escolas, hospitais e  outras instalações, chegam a 6 bilhões de dólares.
Segundo Mahir Al-Tabaa, Presidente da Câmara Comercial e Industrial de Gaza, 350 indústrias teriam sido bombardeadas, incluindo 50 fábricas essenciais para a sobrevivência da população.
Israel recebe todos os anos, bilhões de dólares em ajuda norte-americana. Se fossem condenados a devolver à Organização das Nações Unidas – e o Brasil, como país membro, e contribuinte, poderia trabalhar nesse sentido – o dinheiro que a ONU irá gastar para reerguer o que destruíram, talvez, embora seja improvável, os dirigentes israelenses viessem a pensar duas vezes antes realizar novos ataques.
Mesmo contando com o apoio dos EUA, Israel sentiria, digamos, ao menos, no bolso,  a dimensão da destruição que está promovendo em Gaza.
E caso se recusasse a devolver esses recursos – como têm feito, desrespeitando, historicamente, as resoluções da ONU, organização que possibilitou-lhe a existência – a conta poderia ser apresentada aos EUA, que está armando Tel Aviv permanentemente, mesmo depois de iniciado o conflito.
Caso isso ainda não fosse possível, poderiam ser adotadas sanções e retaliações comerciais. Em último caso, o Israel seria, ao menos, moralmente, mais uma vez, condenado, por seus atos, pela maioria da humanidade.
Enquanto nos indagamos quem pagará a conta de Gaza, o que muitos palestinos se perguntam, nas tréguas intermitentes, seguidas da retomada da violência -  e depois de três agressões sionistas nos últimos seis anos - não é se poderão reconstruir suas casas, mas se seus filhos conseguirão, agora ou nos próximos anos, sobreviver à próxima bomba, ou a uma nova invasão  israelense.

3 comentários:

Adriano disse...

Olá, Mauro.

Relacionado a esta sua publicação, eis o comentário do ex-judeu Nathanael Kapner, que abandonou o judaísmo e agora revela o plano do sionismo para destruir o Cristianismo:

https://www.youtube.com/watch?v=zkrY9baIj3M

Anônimo disse...

Estamos esperando menos antisemitismo e mais honestidade intelectual - pode comecar comentando algo sobre os horrendos massacres de centenas de milhares de inocentes na Siria e no Iraque. Mas, aparentemente, crimes "islamicos" nao lhe interessam. Vitimas "islamicas" somente se os supostos criminosos sao os israelenses - e , nesse caso, o Hamas é totalmente inocentado pelo mais hediondo crime possivel: colocar inocentes ma linha de fogo para poder aparecer em manchetes de jornais e ser apoiado por jornalistas desonestos.

Anônimo disse...

Muito me entristece observar o quão tendenciosa é a reportagem que defende claramente o Hamas. Enquanto a lia guardava ansiosa a expectativa de encontrar ainda que em poucas linhas um breve comentário sobre o terrorismo feito não somente à Israel, mas também com o próprio povo do lado do Hamas, mas não foi o que aconteceu. Não tem um Estado o direito de defesa quando é chamado de colono de sua própria terra?
Bom esclarecer que Israel existe não porque a ONU assim quis ou para isso contribuiu, mas porque muito antes da era cristã tal território já havia sido dado à Israel por parte de Deus. Basta ler as profecias bíblicas, até um ignorante poderá entendê-la. Não defendo obviamente a guerra ou o genocídio, mas me privo de defender claramente aquele que também é culpado. Não seria anti-semitismo?