29 de ago de 2014

A IMPRENSA OCIDENTAL E O GUETO DE GAZA


 
(Revista do Brasil) - Nas últimas semanas tem chamado a atenção, mais uma vez, a diferença de tratamento entre dois temas e dois países: a Rússia, no âmbito da crise ucraniana, e ­Israel, no contexto de seu confronto com o Hamas e a destruição física e humana da Faixa de Gaza. Moscou – cujo governo pode ter, naturalmente, seus defeitos – tem sido acusada de agir como potência agressora no país vizinho, quando, na verdade, está defendendo o último espaço teoricamente neutro que lhe restou após a queda do muro de Berlim. Quando do fim da União Soviética, e do próprio desarme nuclear da Ucrânia, os Estados Unidos comprometeram-se a não atrair os países do antigo Pacto de Varsóvia para a órbita da Otan, e, assim, não cercar, com tropas hostis, o território russo.

De lá para cá, em menos de 20 anos, várias nações, entre elas a República Tcheca, a Hungria e a Polônia, abdicaram de qualquer neutralidade e se agregaram à aliança ocidental, envolvendo a Rússia com um anel de aço. Nele, não existem apenas soldados inimigos, mas também podem ser colocados mísseis com capacidade de atingir as principais cidades do país em poucos minutos, e em menos da metade do tempo do que levariam suas armas nucleares para chegar ao território dos Estados Unidos.

Quando da “independência” da Ucrânia, em 1989, ficaram dentro de seu território milhões de russos étnicos que haviam compartilhado durante anos, com os ucranianos, a cidadania soviética. Esses cidadãos não aceitam se aliar ao “ocidente” para combater sua própria gente, sua própria história, sua própria cultura, que estão também nos territórios russos que existem do outro lado da fronteira.

Antes da queda do governo que estava no poder até fevereiro, os russos subsidiavam o gás vendido à Ucrânia, e procuravam estabelecer com ela maiores laços econômicos, para que o país não caísse totalmente sob a influência dos Estados Unidos e da União Europeia. Manobras ocidentais romperam o precário equilíbrio existente dentro da sociedade ucraniana, levaram à queda de Yanukovich e à ascensão, pela primeira vez depois da Segunda Guerra Mundial, de membros de partidos neonazistas a um governo de um país europeu. A isso, se seguiu a ocupação, por Putin, da mais russa das regiões ucranianas, a Crimeia. Por mais que a imprensa dos Estados Unidos diga o contrário, no mundo real nem o governo ucraniano nem o atual governo israelense podem ser “vitimizados”.

O magnata Petro Poroshenko chegou ao poder no rescaldo da derrubada de um governo eleito, sob um pretexto que até hoje é colocado em dúvida: a morte de civis na etapa final das manifestações da Praça­ Maidan, por policiais ligados ao regime anterior, quando, na verdade, há fortes indícios de que os tiros foram disparados por franco-atiradores neonazistas, interessados em criar um fato que servisse de “ponto de virada” na situação ucraniana.

No caso da derrubada, não do governo Yanukovich, mas do avião malaio que caiu no leste da Ucrânia, é preciso perguntar: a quem interessava o crime?

Com vários aviões de guerra abatidos nas últimas semanas, e impossibilitado de retomar, pelas armas, grandes cidades como Donetsk e Karkhov, o governo ucraniano encontra na queda de um avião civil, com grande número de passageiros ocidentais a bordo, um excelente “ponto de virada” para tentar impedir que os independentistas de etnia russa continuassem a derrubar suas aeronaves, e colocar Putin contra a parede, obrigando-o, por sua vez, a pressioná-los.

Afinal, o presidente russo acabara de marcar importantes pontos em seu jogo de xadrez contra os Estados Unidos, retornando de vitoriosa viagem à América Latina, na qual participara da criação do Banco e do Fundo de Reservas do Brics, e mostrara que tem suficiente jogo de cintura para se furtar às tentativas “ocidentais” de isolá-lo internacionalmente.

E o que teria ocorrido, caso – como disseram fontes russas – tivesse sido atingido o avião de Vladimir Putin, que cruzou a mesma rota do voo da Malaysia Airlines? Os ucranianos não teriam da mesma forma – com a ajuda da imprensa “ocidental” e como fizeram com o avião malaio – acusado os rebeldes de ter derrubado o avião presidencial russo, por engano? Em todo caso, os últimos interessados e os que tinham mais a perder com a explosão do avião da Malaysia Airlines teriam sido exatamente os russos e os rebeldes ucranianos.

Enquanto a imprensa ocidental acusa os rebeldes e, eventualmente, o próprio Kremlin,­ de ter derrubado o avião de passageiros, Obama afirma que Israel – que acusa sem confirmação o Hamas de sequestro e assassinato de três adolescentes – “está apenas se defendendo”, na Faixa de Gaza, e é acompanhado, nisso, pelos mesmos “analistas” e editorialistas que atacam o comportamento da Rússia na Ucrânia.

Há pouca diferença dessas campanhas com outras, como a que afirmou, durante anos, sem nenhuma prova, que havia armas de destruição no Iraque. A imprensa nazista passou anos recorrendo ao mesmo tipo de gente, de “analistas” raciais a “entendidos” em geopolítica, para explicar e contextualizar os perigos do judaísmo para o mundo, e a sua vinculação com os bolcheviques comunistas.

Quando a Alemanha de Hitler dominava a Europa, os nazistas costumavam matar dez reféns para cada soldado alemão que sofria um atentado. Na ofensiva de Tel-Aviv em Gaza, a mídia “ocidental” parece achar normal que a proporção de civis mortos e feridos, seja de mais de 20 palestinos para cada israelense atingido em combate ou pelos foguetes artesanais do Hamas, e que boa parte do território – com mais de 4 mil habitantes por quilômetro quadrado – já tenha sido destruída, deixando mais de 100 mil desabrigados.

Ao bombardear mulheres e velhos, meninos e meninas, apartamentos e ruas de Gaza, Israel implantou, regou e alimentou, com ossos e sangue – como faziam os nazistas com suas experiências com repolhos no campo de extermínio de Maidanek – um ódio profundo e incomensurável em nova geração de palestinos, da mesma forma que, ao destruir o Iraque, os Estados Unidos abriram caminho para Bagdá e Mossul para os terroristas da Al Qaeda.

Quando se tornar impossível a sobrevivência e a permanência, dentro das estreitas fronteiras de sua gaiola de escombros, cercada por muros e arame farpado, dos quase 2 milhões de palestinos que vivem em Gaza, será que os israelenses se inspirarão em seus algozes de um outro gueto, o de Varsóvia? Lá, judeus de toda a Europa foram amontoados, sem água, luz, comida ou aquecimento, durante meses a fio, para morrer de tifo e outras doenças contagiosas. Finalmente, foram levados para campos – como Israel pode fazer com os palestinos – se quiser, teoricamente, assisti-los “humanitariamente”.

A outra opção é entrar – como fizeram os SS do Brigadeführer Jürgen Stroop há exatamente 71 anos – com tanques e lança-chamas no meio das ruínas, no Gueto de Varsóvia, e caçar, um por um, os sobreviventes, até o último homem, mulher ou criança, como se fossem ratos.
As ações do governo israelense são muito contestadas por parte da oposição israelense e também por integrantes da comunidade judaica espalhados pelo mundo. Mas a julgar pelo noticiário da imprensa “ocidental”, essas vozes dissonantes tampouco existem.


5 comentários:

dilma fez acordo com Obama para evitar guerra civil e invasão disse...

Dilma acertou com Obama, em sua visita ao Brasil, que o PT perderia as eleições de 2014, em nome da “alternância” no poder. Isso há muito já havia sido acertado entre Lula e Bush, desde sua viagem para cumprimentar o poderoso chefão, logo que assumiu o primeiro mandato. Pelo acordo firmado com Obama,em 2014, Lula poderia lançar um candidato por outro partido, e esse candidato poderia até ganhar. Mas Dilma, essa deveria perder, podendo fazê-lo dentro de certos limites, com certa honra. Se assim procedesse, ela e Lula não teriam o destino de Kadafi, Chaves e de outros. Nem suas famílias. Um potente cancerígeno induzido por contato em aperto de mãos de um agente brasileiro que a inteligência dos EUA mantém no país, com seis meses de intervalo, foi um aviso. Tal como o assassinato de dois guarda-costas de Lulinha, oficiais do exército, nos primeiros meses do ex-presidente. O escolhido de Lula, para "vencer" o PT era Eduardo Campos. Mas graças a um jato sem manutenção adequada ( será que foi só isso, General Torrijos?) nem Eduardo Campos restou a Lula e será Marina, a nova presidente. Afinal ela é muito mais identificada com os EUA através das O.N.G.s de Washington e com o banqueiro Setúbal, fiel serviçal dos interesses dos EUA no Brasil. A ameaça a Dilma e Lula foi gravíssima, para que fossem obrigados a cumprir o acordo. E caso não concordassem com que o PT perdesse de propósito essas eleições, os EUA iriam passar a combater o governo do PT como uma “ditadura” chavista. ( basta ver como os trolls a serviço da CIA já fazem nas redes sociais). E aí a ameaça de Obama foi concentrar toda força em promover através do Facebook, do Twitter e de mensagens SMS pelo celular, manifestações como as da Venezuela, Ucrânia, Líbia, Iran, Egito e Síria, onde derrubou governos da maioria desses países. Em junho passado, Obama mostrou parte de sua força nas redes sociais, promovendo manifestações de uma hora para a outra, com a violência do governo Alkimin, pois no exterior ninguém sabe que o governo federal não tem polícia militar. As manifestações foram realizadas sem a “fase 2” que seria o assassinato de manifestantes atiradores vestidos com a camisa do PT, como fizeram nos outros países. A semelhança com a "fuga" de João Goulart não é coincidência. Ele também teve que deixar o Brasil sem resistir para evitar a guerra civil e a invasão americana. É por isso que o PT apesar de ser xingado dia e noite, não tem nenhum veiculo de comunicação de massas e está proibido de promover qualquer tipo de luta política ou ideológica, nem pode mostrar o quanto foi feito. Isso não é permitido pelo acordo. Nenhuma obra de construção ideológica pode ser feita. Apenas obras físicas.Por isso o PT nos estados, através de seus atuais “líderes”, aceita de cabeça baixa, sem revidar a campanha permanente de ofensas, de desqualificação e demonização que é promovida pela mídia golpista. Essa campanha apesar de forte, não é feita de tal forma que os “líderes” do PT não possam ser eleitos, usando para isso a máquina e a militância do partido, que sem alternativa, tem que ajudar os seus chefes a renovarem seus mandatos. Prepara-se assim a retirada honrosa de Lula e Dilma do poder e do cenário político. Lula e Dilma cumpriram seu acordo com Obama. Lula e Dilma vão deixar o poder, deixando um legado importante de realizações inegáveis. E saindo com honra, respeitando a democracia, mesmo com uma imagem momentaneamente desgastada mas pelo menos honrada. E esperamos, com sua saúde incólume. Vamos ver se Obama, o grande eleitor, irá cumprir sua parte no acordo de não promover nem o caos nem a guerra civil ou a invasão do Brasil.

Anônimo disse...

E agora os Brics com uma possivel subida ao poder da Marina Silva como fica?

Ignez disse...

Absurdo. Às rapinagens de território e de riquezas se alia a rapinagem de vidas. A Europa está perdendo feio. Há 8 anos. E continuam numa vassalagem infecta. O planeta corre sério risco. Ler e relê para analisar e compreender a conjuntura. Obrigada Mauro Santayana.

Mauro Santayana disse...

Obrigado a você, Ignez, pela leitura !

Anônimo disse...

Apoio os seus comentarios 100%. O mundo ocidental esta dominado por judeus e isto tem que ser controlado.