23 de set de 2013

O BRASIL AOS OLHOS DO MUNDO



(HD) - A notícia de que o Brasil enviou para a reunião da cúpula de direitos humanos da ONU, na   qual se tratou da espionagem norte-americana da NSA, uma estagiária, não é lisonjeira para o nosso país, no momento em que enfrentamos graves desafios no contexto das relações externas.
Compreende-se que a principal mensagem  brasileira sobre o tema deverá ser dada pela própria Presidente Dilma no seu discurso de abertura da Assembléia das Nações Unidas.
Mas o Brasil - que patrocinou a convocação da reunião junto à Alemanha e os países escandinavos - não poderia ter deixado de mandar um diplomata de primeira linha ao encontro, principalmente quando a espionagem à própria Presidente da República foi ali abordada por outros países, e estiveram presentes, como foi citado na matéria, a alta comissária Navi Pillay e o Relator da ONU para a Liberdade de Expressão, Frank de La Rue.
Com a decisão de postergar – sine die - sua visita de estado aos EUA, que estava programada para outubro, o Brasil mandou ao mundo uma firme mensagem de que a agressão sofrida à sua soberania é um tema prioritário para o Governo e a Nação nesse momento.
Esperava-se, portanto – dentro e fora do país -  que o governo aproveitasse toda e qualquer oportunidade para marcar, na linha de frente, sua presença, e assumir um papel preponderante nessa questão, no contexto  internacional.
A diplomacia é uma atividade estratégica e emblemática, na qual o simbolismo, a atitude e o gesto – como ficou demonstrado pela própria suspensão da viagem – são muitas vezes mais importantes do que as palavras.
A constatação – por meio dos documentos revelados por Edward Snowden – de que o primeiro escalão do governo brasileiro tem sido monitorado por serviços de inteligência dos Estados Unidos – e que o Brasil é o país mais espionado pelos norte-americanos – tem que ser tratada como uma grave e imediata ameaça à segurança nacional.
É difícil, portanto – da mesma forma que ocorreu no Congresso, com a criação da CPI da espionagem – acreditar que não exista, ainda, no âmbito do executivo, uma força tarefa - com a presença do Ministério da Defesa, da ABIN, do Ministério das Relações Exteriores - para analisar e acompanhar essa questão e estabelecer e aplicar uma agenda comum de atuação, sob a orientação direta da Presidência da República.

Nenhum comentário: