11 de set de 2013

PAULO BERNARDO E O LOBBY DA TV A CABO


(JB) - Não satisfeito em tolerar, placidamente, que o Brasil conviva com uma situação na qual os serviços de telecomunicações são campeões de reclamações e ostentem, ao mesmo tempo, as mais altas tarifas do mundo para países do porte do nosso, o governo federal, por meio do ministro Paulo Bernardo, prepara-se agora para tirar as castanhas do fogo para empresas estrangeiras também na televisão a cabo.

A pedido do setor, o governo pretende, em nome da “isonomia”, passar a taxar empresas que distribuem filmes pela internet (o que configura um tipo de serviço totalmente diferente), aumentando o preço para o consumidor, ou inviabilizando seu acesso a sites que lhe permitem pagar uma pequena taxa mensal e escolher quando e que filme, programa, ou documentário ver, em nosso idioma.

Quer dizer que — em uma espécie de censura econômica — o mesmo governo que não teve peito para investigar o esquartejamento da Telebrás e a desnacionalização das telecomunicações (que expôs o país à espionagem de empresas estrangeiras), responsável pela sangria de bilhões de reais, todos os anos, em remessa de lucros para o exterior, vira bicho na hora de defender os interesses de multinacionais em detrimento do cidadão brasileiro, apesar de já ter derramado, durante anos, bilhões de dólares em empréstimos a custo subsidiado do BNDES, e outros bilhões de dólares em isenção de impostos para multinacionais estrangeiras que operam nessa área no Brasil.

Ora, quem não tem competência não se estabelece. Qualquer uma das empresas que operam com TV a cabo no Brasil pode distribuir filmes e vídeos pela internet a qualquer momento, já que dispõe de tecnologia e capital para isso, operando de terceiros países, sem pagar, como fazem outras empresas, impostos no Brasil.  

O problema não é oferecer o mesmo serviço — mais barato e melhor estruturado — para o consumidor brasileiro mas, sim, manter a autêntica reserva de mercado em que se configurou o mercado nacional de TV a cabo, com a mesma programação e os mesmos repetitivos pacotes, oferecidos por todas as operadoras, a um preço muitíssimo superior ao que pagam usuários de outros países.


No lugar de estar preocupado com a situação das empresas de TV a cabo no Brasil, altamente lucrativas, o governo federal e o ministro Paulo Bernardo deveriam (o que inclui o governo Lula) estar trabalhando há anos para rever a criminosa Lei Geral de Telecomunicações (alguém sabia que hoje nem todo orelhão precisa completar ligações interurbanas, e que não existe prazo mínimo definido para o corte de serviço de internet em caso de atraso de pagamento da conta?); para exigir das empresas que cumpram seus compromissos quanto à qualidade e universalização; para verificar a situação dos Sistemas 3G e 4G no país, que estão uma vergonha, e quanto à TV a cabo, assegurar que o conteúdo “nacional” previsto seja mesmo nacional, do ponto de vista cultural, e não apenas uma mera reprodução, feita aqui dentro de programas e conceitos estabelecidos lá fora; incentivar a criação de novos canais brasileiros voltados para a valorização do país, como nas áreas de defesa, tecnologia e história, por exemplo; e monitorar o farto material que, sob o disfarce de documentários, tem sido exibido por canais norte-americanos, fazendo proselitismo e defesa da doutrina externa e de segurança dos EUA, principalmente quanto a temas como o 11 de Setembro, o "combate ao terrorismo” ou o envolvimento daquele país no Iraque e no Afeganistão, por exemplo. É preciso dar um tempo nessa desabalada defesa de interesses privados e multinacionais, e pensar um pouco em nosso próprio país e no consumidor brasileiro.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:


4 comentários:

Eugenio Hansen, OFS . disse...

Paz e bem!
Não esqueça a gracinha da ANATEL:
Pague por 5
e aceite levar 1.

Fabio disse...

Netflix custa 17 reais e tv a cabo custa de 40 a 100 reais por mês, neste quesito este governo como diria o Lula "é pelego da Globo", aos poucos o PT vai ficando igualzinho aos outros, vai virar um PMDB da vida.

Ignez disse...

As vezes não dá para entender o governo Dilma. Parece não haver um Princípio que unifique as metas. As vezes pensa-se que o governo se propõe a ser um socialismo democrático, depois, algumas medidas se caracterizam como o mais desavergonhado capitalismo selvagem. Não sei se é mediocridade de alguns ministros, se é pura vassalagem desses ministros aos ditames mercadológicos, o que significa retrocesso e perda de soberania. O Paulo Bernardo é o mais desavergonhado vassalo dos interesses contrários à soberania do Brasil. Será que Dilma não percebe que ele "fala fino" com esses grupos, e ela "fala grosso"? Há uma esquizofrenia no cerne ministerial. Não se trata de xenofobia, mas de dar uma direção àquilo que se propôs o governo progressista: atender aos interesses do POVO!

Anônimo disse...

E o ministro ainda quer aprovar PL 5013/2013, originário do Senado sob o nº PLS 293/2012, que estabelece normas gerais de política urbana e de proteção à saúde e ao meio ambiente associadas à implantação e ao compartilhamento da infraestrutura de telecomunicações.
Nada mais justo, mas o referido projeto, que aguarda criação de uma Comissão Especial, preve no seu artigo 12 que "Não será exigida contraprestação alguma em razão do direito de passagem em vias públicas, em faixas de domínio e em outros bens públicos de uso comum do povo, ainda que esses bens ou instalações sejam explorados por meio de concessão ou outra forma de delegação;".
Ou seja, o repasse será para a tarifa de quem utiliza as rodovias...pra variar, o povo!