17 de fev de 2013

AS USINAS DE FERNANDO LYRA


(JB) - Um leitor, em comentário sobre a morte de Fernando Lyra, identificou-o como “usineiro”. Nada o teria feito rir melhor. Há Lyras e Lyras no nordeste. Fernando procedia de família de pequenos agricultores de Lagoa do Gato, um dos lugares mais pobres do Agreste. Seu pai, ao deixar a região, fez-se modesto empresário. Com o tempo seus negócios cresceram e permitiram a Fernando formar-se em direito em Caruaru. Essa origem de classe, associada a outras virtudes suas, fizeram-me admirador e amigo de Lyra nos últimos trinta anos – títulos que compartilho com centenas de outras pessoas.

A notícia de sua morte chegou-me em hora pessoal já amarga: acabara de sepultar a mãe de Wania, minha mulher, em Belo Horizonte, o que me tocara fundamente, por ter sido, contra o lugar comum, uma amiga muito querida há 54 anos.

Em seguida à notícia,  comentamos, o médico Aloizio Costa e Silva e eu, a esfuziante personalidade  de Fernando Lyra, como a ele se referiu, em minha presença, o professor Affonso Arinos de Mello Franco. Todos admiravam a capacidade política do parlamentar pernambucano, fosse como analista dos movimentos históricos, que o faziam antecipar os fatos, fosse como o articulador que conseguia submeter as circunstâncias aos seus projetos – todos eles em favor da nação e de nosso povo. Essas eram as usinas que Lyra sabia administrar.

É bom repetir que os pernambucanos, os gaúchos e os mineiros – sem desmerecer o patriotismo dos outros brasileiros – tiveram o privilégio histórico de comprometer-se mais com a construção da nacionalidade. Em Guararapes nasceu a própria idéia de Nação, e nação mestiça, com a aliança de índios, negros e brancos, que expulsou os holandeses; coube ao Rio Grande riscar, com sangue, a fronteira meridional, em 300 anos de refregas com os castelhanos; em Minas, ferida em suas entranhas para a extração do ouro e gemas, nasceu a consciência do Estado para garantir a soberania nacional. Não é por acaso que essas três grandes províncias tenham sido aliadas nos momentos mais fortes de nossa história ainda curta.

Fernando via essa aliança necessária, com seu instinto de animal político, sem as construções demoradas do pensamento acadêmico. Ele quase a sentia na pele. Talvez tenha sido essa consciência poderosa que o levou a Belo Horizonte, no momento mesmo da posse de Tancredo, como governador de Minas, a fim de instá-lo a disputar a presidência da República. Fernando, no livro que escreveu sobre esses fatos, e que tive a alegria de prefaciar, disse acreditar que Tancredo não queria a chefia do Estado.

Nisso, ele se equivocava: Tancredo chegara ao Palácio da Liberdade convencido de seu dever de dar um fim à Ditadura e presidir à reconstrução do Estado Republicano, mediante a aglutinação do centro político. A leitura de seu discurso de posse, a partir da frase inicial – O primeiro compromisso de Minas é com a liberdade – não deixa dúvida. Tratava-se de claro manifesto de ação política.

Isso não diminui, em nada, os méritos de Lyra, que se empenhou, dia e noite, na luta pela vitória de Tancredo e na difícil missão que o mineiro lhe impusera, a de Ministro da Justiça da transição. Tancredo – que ocupara o mesmo cargo nas horas graves de 1954 – sabia que a esse Ministério, desde o Império, cabiam as tarefas mais duras da condução da política interna e da articulação com o Parlamento, hoje deslocadas para o gabinete presidencial. Lyra assim entendeu a missão e a cumpriu, com autoridade, diligência e sem jactância.

Ele soube assessorar-se de  acadêmicos de sua confiança, como os professores José Paulo Cavalcanti Filho, Christóvam Buarque, Joaquim Falcão, Marcelo Cerqueira e Sigmaringa Seixas, dando ao Ministério talvez o mais importante suporte intelectual de sua história. Foi essa equipe que, sob a chefia do Ministro, cumpriu a corajosa decisão de Sarney, a de se desfazer da legislação autoritária do regime militar.

Recordo-me, pessoalmente, de um fato significativo. No minuto seguinte ao da posse no Ministério, Fernando mandou que os guardas armados das entradas do edifício se recolhessem às suas repartições. O Ministério se abria ao povo.

Ao cuidar da organização e administração da Comissão Arinos, como um de seus membros, ajudei Fernando nessa tarefa de que Tancredo, pessoalmente, nos encarregara. Foi assim que, a pedido do presidente eleito, convidamos o professor Arinos a chefiar o grupo. Foi quando o grande jurista se referiu “à esfuziante juventude” de Lyra, ao mesmo tempo em que manifestou o seu respeito à sabedoria de Tancredo em nomeá-lo para a pasta da Justiça.

Como amigo, sofro a perda de Fernando com quem conversava quase todas as semanas, e sempre sobre o Brasil. Como cidadão, lamento a sua falta nesses próximos e atribulados meses do processo sucessório que já se abriu. Ele saberia construir a aliança necessária entre as lideranças regionais, em favor da democracia brasileira.

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:

http://luishipolito.dihitt.com.br/n/politica/2013/02/15/conversa-afiada-santayana-e-as-usinas-de-lyra  

Nenhum comentário: