19 de fev de 2013

O BRASIL, OS BRICS E O FMI


         (Carta Maior) -  A reunião do G-20, em Moscou, encerrada ontem, terminou com vagas promessas, da parte dos Estados Unidos e da Europa, de homologar finalmente o acordo, fechado informalmente  em 2010, que daria mais poder aos emergentes no Fundo Monetário Internacional.

        Não é segredo que as quotas dessa instituição, com direito a voto, não correspondem mais, há muito tempo, à realidade econômica mundial. Com a reforma, muitos países europeus, com sua importância econômica reduzida nos últimos anos, veriam minguar suas quotas e seu poder de voto. Tendo crescido mais rapidamente neste início de século, os países emergentes, à frente deles  os BRICS, assumiriam o seu direito e a sua responsabilidade na direção das finanças mundiais.

         Os países ocidentais, liderados por Washington e Berlim, no entanto, não querem diminuir seus poderes nas grandes instituições internacionais, sobretudo as financeiras.

       Os controladores da economia globalizada atuam junto ao Congresso dos Estados Unidos e contam com o apoio da maioria republicana a que se somam muitos democratas, a fim de impedir que a China se torne o terceiro país mais importante do Fundo, ou que o Brasil venha a avançar, até alcançar, no futuro, uma posição condizente com a sua condição de sexta maior economia do planeta.

        Com a dívida interna líquida de 35% do PIB; débitos externos que correspondem a menos  de 15% do que produz todos os anos; 378 bilhões de dólares em reservas internacionais; sendo o terceiro maior credor individual externo dos Estados Unidos, depois da China e do Japão e  credor do próprio FMI, o Brasil não aceita mais ser tratado no mesmo patamar de países de peso geográfico, demográfico e econômico menor, e dados macroeconômicos piores do que os nossos.

       Esse assunto também será tratado em Brasília, nesta semana, em Brasília, durante a visita do Primeiro-Ministro da Federação Russa, Dmitri Medvedev.

       Os russos, como os chineses e indianos, parceiros do Brasil no BRICS, estão também   perdendo a paciência com os países do ocidente econômico, diante da desproporção entre o que esse grupo de países representa, em termos globais, como território, população e economia, e a sua posição nos organismos  multilaterais internacionais.

        Embora sofra uma campanha de sabotagem contínua por parte da imprensa “ocidental”, o BRICS está cada vez mais vivo, trabalhando unido, como demonstram, por exemplo, as reuniões sobre segurança e saúde realizadas há menos de um mês em Nova Delhi.

        No encontro com Medvedev, Dilma deverá tratar do apoio russo – já quase acertado - para a eleição do brasileiro Roberto Azevedo à Direção Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). Os dois deverão também ajustar as propostas que Rússia e Brasil levarão à Quinta Cúpula Presidencial dos BRICS, na África do Sul, em março.
        Nesse encontro, os países membros deverão tratar da constituição de seu próprio Banco de Desenvolvimento. E, provavelmente, de  instituição que poderia concorrer com o FMI, a fim de atender  às necessidades de países emergentes e em desenvolvimento.
       No passado, o G-7 ignorou o G-20, e hoje,  como grupo, é uma ficção geoestratégica e institucional. Ao se negarem a reformar o FMI,  os Estados Unidos e a Europa podem estar  condenando-o à caquexia. Os emergentes, com os BRICs à frente, podem ser o núcleo de nova realidade econômica mundial.      

Este texto foi publicado também nos seguintes sites:




  


Nenhum comentário: